EN | ES

“Nunca Mais Abismos” leva performances de artistas com deficiência ao Sesc Pompeia em março

Publicado em: 08/02/2024 |

Projeto idealizado por Edu O. ainda conta com ciclo Conversa Aleijada, uma série de encontros com os artistas do espetáculo que acontece de 27 de fevereiro a 6 de março. Crédito: Nina Pires

Projeto idealizado por Edu O. ainda conta com ciclo Conversa Aleijada, uma série de encontros com os artistas do espetáculo que acontece de 27 de fevereiro a 6 de março. | Crédito: Nina Pires

“Nunca Mais Abismos” propõe novas narrativas à história que insiste nos constantes relatos de exclusão, abandono e violência, lembrando sempre dos abismos gregos onde eram jogadas as crianças que nasciam com algum tipo de deficiência na antiguidade. O projeto também celebra as inegáveis mudanças provocadas pela presença das pessoas com deficiência, ao longo do tempo, rompendo as lógicas normativas e promovendo mudanças nas diversas áreas como ciência, arte, tecnologia, comunicação, arquitetura etc.

Essa experiência de relaxed performance pode ser conferida no Sesc Pompeia, ao entre 1º de 10 de março, de quinta-feira a sábado, das 17h às 21h, e no domingo, das 15h às 19h.

O trabalho teve sua estreia em 2022, no Festival Theaterformen, na cidade de Braunschweig, na Alemanha, e, em 2023, participou da Bienal Sesc de Dança, na cidade de Campinas. Agora, na nova apresentação no Sesc Pompeia, o projeto foi reformulado e ganha um formato inédito.

Ao longo de sete dias, com quatro horas diárias de relaxed performance, Nunca Mais Abismo reúne nove dos principais nomes de artistas Defs no cenário da arte contemporânea brasileira. São eles Edu O., Estela Lapponi, Jania Santos, Moira Braga, Jéssica Teixeira, Elinilson Soares, Ariadne Antico e Quixote. O trabalho conta ainda com a presença do artista Thiago Cohen e da intérprete de Libras e performer Cintia Santos, as únicas pessoas sem deficiência do elenco.

Com origem no Reino Unido, na década de 1990, a Relaxed Performance é uma proposta que visa repensar as convenções dos espaços cênicos e tornar as performances mais acessíveis aos artistas e ao público, proporcionando um espaço de acolhimento às mais diversas experiências. Esse tipo de trabalho difere das performances de longa duração ou das instalações artísticas por ter como princípio as experiências sensoriais no contexto da deficiência e da acessibilidade.

O Galpão do Sesc Pompeia será transformado gradativamente pela tessitura de uma grande rede feita por nós, escritas e fotografias. Durante as apresentações, três momentos reverberam entre si e criam espaços de fluência e troca entre artistas, público e espaço, compreendidos como: Nós, Emergir e Silêncio.

Confira abaixo uma breve descrição de cada um desses momentos:

NÓS
Quando: De quinta a sábado, das 17h às 19h, e no domingo, das 15h às 17h

Nesta performance coletiva, durante as duas primeiras horas, uma ação repetida inúmeras vezes transforma, gradativamente o espaço, afirmando incisivamente:

NUNCA MAIS ABISMOS.

À sua maneira, se desejar, o público pode ser parte dessa transformação ou compartilhar do mesmo espaço de convivência, apreciando a instalação durante o tempo que lhe aprouver.

EMERGIR

Quando: De quinta a sábado, das 19h às 20h; e no domingo, das 17h às 18h

No segundo momento, pequenos solos (performance, dança, palhaçaria, poesia e música) revelam as individualidades e estratégias de cada artista para impedir seus abismos pessoais.

• Canto para Exu (Thiago Cohen)
Thiago Cohen canta para abrir os trabalhos. Um canto para abrir os caminhos…

• Atravessamento (Jania Santos)
Abrir passagens. Sentir-se livre. Ir. Voltar. A gente não sabe onde vai parar. Ao som do Canto para Exu, Jania Santos dança expandindo horizontes.

• A foto mais bonita do mundo (Edu O.)
A partir de uma situação vivida na infância, Edu O. faz uma festa e reivindica a alegria como ação transformadora.

• Na minha casa, eu não faço curva! (Estela Lapponi)
É uma performance manifesto. Como um grito de pertencimento. Como marcar o meu território. Como chutar o capacitismo que obstrui o meu caminho.
Instagram: @estelapponi

• Pontuando (Moira Braga)
Sinopse: Performance de Moira Braga que surge com o desejo de fazer da escrita em braile mais uma composição das diversas formas de dizer “nunca mais abismos“.

• Menos Máscaras, Mais Churros (Ariadne Antico)
Ariadne Antico (palhaça Birita) se desfaz das máscaras que vestiu durante toda a vida, a começar pela última, a melhor e menor máscara do mundo: o nariz vermelho.

• Mergulho (Elinilson Soares)
Elinilson Soares mergulha em suas memórias, recontando histórias com sua poesia surda

• Lugar de Falta (Jéssica Teixeira)
Lugar de Falta. Não é de fala. Não é de escuta. É de falta. Neste fragmento cênico, Jéssica Teixeira se propõe a repensar ludicamente o que falta em cada um e, para lidar melhor com esse lugar, ela traz a percepção como uma chave necessária para abrir outros portais e formas sábias de atuação e convivência nesse mundo. A performer se propõe a conversar com Deus sobre essas percepções e sobre as noções de paraíso inventadas pela humanidade. Será que nesse paraíso é possível existir gente estanha?

• Quixote
O músico Quixote fará a trilha ao vivo de Nunca Mais Abismos

SILÊNCIO

Quando: De quinta a sábado, das 20h às 21h, e no domingo, das 18h às 19h
Momento em que a própria instalação apresenta suas dinâmicas e acolhimentos sem a presença das pessoas artistas.

ZULEIKADA

Quando: 10 de março, das 18h às 19h
O projeto encerra com a performance Zuleikada, de Estela Lapponi, que consiste numa Silent Disco onde as pessoas dançam com fones de ouvidos.

CONVERSA ALEIJADA

Quando: 27 e 28 de fevereiro e 5 e 6 de março, às 19h
Com mediação de Edu O., o projeto Conversa Aleijada propõe o diálogo entre artistas Defs e a reflexão sobre suas pesquisas e práticas artísticas, considerando a deficiência como propulsora dos processos criativos e importante ferramenta na produção de conhecimento no campo das artes. Tendo como base a Teoria Crip ou Teoria Aleijada, apresentada por Robert McRuer, esses encontros atualizam os modos de compreensão sobre deficiência, arte e acessibilidade cultural.

Programação Conversa Aleijada

27 de fevereiro – Conversa Aleijada com Thamyle Vieira e Quixote
28 de fevereiro – Conversa Aleijada com Jéssica Teixeira e Moira Braga
05 de março – Conversa Aleijada com Jania Santos e Elinilson Soares
06 de março – Conversa Aleijada com Estela Lapponi e Ariadne Antico

Serviço

“Nunca Mais Abismos”
Quando: 1º a 10 de março, de quinta a sábado, das 17h às 21h, e no domingo, das 16h às 20h
Sesc Pompeia – R. Clélia, 93, Água Branca
Ingressos: entrada gratuita
Duração: 4 horas
Classificação: livre
Acessibilidade: para todos os públicos

Ficha Técnica

Idealização e Direção: Edu O.
Performance: Edu O., Jania Santos, Estela Lapponi, Ariadne Antico, Moira Braga, Jéssica Teixeira e Thiago Cohen
Trilha sonora ao vivo: Quixote
Performance/intérprete de Libras: Elinilson Soares e Cintia Santos
Roteiro de audiodescrição: Estela Lapponi
Consultoria de audiodescrição: Moira Braga
Consultoria de acessibilidade: Thamyle Vieira
Direção de produção: Daiana Carvalho
Produção e figurino: Nei Lima
Produção executiva: Loretta Pelosi
Cenário: Cristiano Piton
Iluminação e Design Gráfico: Aldren Lincoln
Fotografia: Aldren Lincoln e Nina Pires
Realização: Dê Um Sinal
Assessoria de comunicação: Pombo Correio Assessoria de Comunicação




Relacionadas:

Notícias | 01/ 03/ 2024

Espetáculo “No Banheiro Sujo de Um Bar Qualquer” estreia na SP Escola de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 02/ 2024

Leitura dramática “CAMILO” acontece em 4/3 na SP Escola de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 02/ 2024

Grupo 59 apresenta “Um Dia, Um Rio”, premiado espetáculo sobre desastre ambiental na Bacia do Rio Doce

SAIBA MAIS