EN | ES

Novo espetáculo digital do Satyros aborda questões da geração Baby Boomer diante da era tecnológica

Publicado em: 01/02/2022

Foto: Divulgação

O elenco do projeto é composto apenas por artistas com 60 anos ou mais, denominados Satyros Silenos.

Com encenação ao vivo e transmissão digital, o espetáculo surgiu através de processo de pesquisa do elenco e é composto de cenas que retratam questões, sonhos e o cotidiano de pessoas da geração Baby Bommer, nascidos entre os anos de 1945 e 1964.

Não se trata apenas de falar sobre o tempo, mas sobre uma geração que viveu a era analógica e teve que aprender rapidamente a interagir com a era tecnológica, em um mundo cada vez mais veloz. Eles não são só senhores, são os jovens que deram certo.

Foto: Divulgação

Serviço:
Quando: Sábados e domingos, às 18h e segundas às 21h.
Onde: Zoom/Sympla, no Espaço Satyros Digital
Temporada: de 29/1 a 28/2
Coordenação: Rodolfo García Vázquez.
Texto: Coletivo.
Direção: Fabio Penna, Julia Bobrow e Marcia Dailyn.
Elenco: Haroldo Bianchi, Jaime Ratinecas, Marcio Saad, Odete Libel e Tadeu Filippini.

clique aqui para retirar seu ingresso

 

Relembre alguns dos espetáculos que a companhia fez durante a pandemia:

A Arte de Encarar o Medo (2020)
Peça criada durante o período de isolamento social, a montagem trabalha um futuro distópico onde uma epidemia isolou a humanidade por 5.555 dias. Dirigida por Rodolfo García Vázquez, que também colaborou no roteiro com Ivam, a obra narra a tentativa de um grupo de amigos de se conectar à internet e restabelecer as relações rompidas durante a quarentena. Dentre os temas abordados estão a depressão, a solidão, o medo do contágio e da morte e os desafios de manter saúde mental, tecendo, portanto, um forte diálogo com as pautas vigentes na atualidade. Além de abordar de maneira determinante o atual contexto político brasileiro, a necropolítica, o autoritarismo, a injustiça governamental e a queda da democracia. A obra abriu caminhos para o cenário do teatro digital, pois foi pensada inteiramente para internet, em uma experiência original e impactante.

Foto: Divulgação

1991 ou A Imperfeição do Amor (2021)
Segunda parte da Trilogia das Revelações, que teve início com Todos os Sonhos do Mundo, em 2019, a obra foi escrita ao lado de Rodolfo García Vázquez, coordenador do curso de Direção da escola, e é o 15º livro da dupla. Os autores cruzam a história da costureira Eunice, que viveu no interior do Brasil, e é mãe de Ivam Cabral, com a obra da escritora inglesa Virginia Woolf. A narração é em primeira pessoa e combina monólogo interior, solilóquio e diálogo com o público, contemplando, portanto, tanto o contexto presencial quanto o digital. A obra realiza reflexões relacionando o cotidiano de duas mulheres distintas tanto na esfera pública quanto na privada.

Foto: Divulgação

Aurora (2021)
O livro narra a história de seis moradores de um edifício no centro de São Paulo, onde no térreo funciona um bar gay que um dia já foi um famoso ateliê de roupas. Cada um dos personagens sofre com um drama individual, e durante o espetáculo tais histórias se cruzam. Saltério, interpretado pelo próprio Ivam Cabral, é um homem que sofre com a sequela de um acidente que lhe causou impotência. Justyna é uma mulher que deixou o convento e se mudou para São Paulo, onde sofreu diversos abusos. O ‘Mãe’ é assim nomeado por se dedicar a caridade, ele ajuda crianças de rua, mas também, contraditoriamente, abusa delas. Acácio ganha dinheiro no meio digital vendendo likes e curtidas para famosos e políticos. Bola veio de um lar desajustado e é uma criminosa, líder de uma equipe que comete delitos. Diega sonha com o fim do mundo por potentes explosivos lançados de um helicóptero. E, por fim, Ordálio, que no passado trabalhou em uma fábrica de tecidos, um homem misterioso que guarda diversos segredos.

Foto: Andre Stefano

Mariposas (2021)
As Mariposas se passa em uma realidade futurística, uma época em que não há mais natureza e as pessoas lutam diariamente contra uma peste, que fez a sociedade se tornar majoritariamente digital, controlada por redes sociais através de avatares. O chefe desta nação é um presidente totalitário que tem 87 filhos e eles controlam um gabinete misterioso que, em múltiplas gavetas, guardam as memórias individuais e coletivas dos humanos. A dramaturgia é dos fundadores do grupo Satyros, Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, e é inspirada no uso desenfreado e perigoso das mídias digitais e a crescente destruição do meio ambiente, duas tristes realidades cada vez mais comuns na vida atual.

Foto: Guilherme C.




Relacionadas:

Notícias | 29/ 06/ 2022

Performance documental Genderless – Um Corpo Fora da Lei estreia no dia 4 de julho na unidade Roosevelt da SP

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 06/ 2022

Colaboradores da Adaap e do Instituto Limpa Brasil realizam mutirão de limpeza da Praça Roosevelt; confira como foi!

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 06/ 2022

Tom Rezende, artista egresso de direção da SP, ganha prêmio de melhor direção por Lisístrata – O Voo das Andorinhas

SAIBA MAIS