Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Nova peça tem atores com máscaras adaptadas para falar sobre sociedade matriarcal

Publicado em: 13/01/2021

Crédito da Foto: João Caldas/Divulgação

Está em cartaz o espetáculo “Eu me lembro…”, que conta a história de uma civilização que evita conflitos graças a sua estrutura matriarcal, um contraponto para os dias atuais.

O texto é uma adaptação do livro homônimo do criador do método de ioga DeRose, Luís Sérgio álvares DeRose. As referências estéticas são Jerzy Grotowski e Pina Bausch, por isso os atores trouxeram vivências pessoais para a montagem e a performance e coreografia são muito sensoriais e buscam leveza, elegância e simplicidade.

“A peça não tem a ação como algo importante, mas sim como contemplação. Nossa tradição ocidental necessita do embate para que a narrativa se desenrole, diferente da peça”, afirma Miguel Hernandez, diretor do espetáculo.

“Eu me lembro…” ia entrar em cartaz no início de 2020, mas com a pandemia, teve que adiar a estreia. Agora, finalmente inicia a temporada, mas seguindo protocolos rígidos, inclusive os atores usam máscaras adaptadas para garantir que a dicção e o visual não afetem o trabalho deles em cena.

O espetáculo está em cartaz no Teatro Novo, na Vila Mariana, até marco. As sessões são aos sábados e domingos, às 18h, e segunda-feira às 21h. A duração é de 90 minutos.

Saiba mais informações sobre a história da peça e como comprar os ingressos aqui!




Relacionadas:

Notícias | 12/ 08/ 2022

Cia. Os Satyros é destaque no Festival de Edimburgo com espetáculo The Art Of Facing Fear

SAIBA MAIS

Notícias | 12/ 08/ 2022

Agenda Cultural: As melhores dicas para o seu fim de semana!

SAIBA MAIS

Notícias | 12/ 08/ 2022

Cia do Passáro estreia espetáculo com texto francês sobre amor LGBTQIAP+ em vários teatros paulistas

SAIBA MAIS