Noite de Maria, Nise, Antônios: A Escola em Festa

Publicado em: 28/05/2013

Uma bandinha, daquelas tradicionais, de coreto, tocava marchinhas, dobrados e outras músicas, em frente ao número 210 da Praça Roosevelt. A apresentação era, na verdade um convite. Ali dentro, em instantes, no 1º andar da Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, começaria a cerimônia de entrega do Prêmio SP Escola de Teatro e do Prêmio Aplauso Brasil de Teatro, ambas com direção de Ricardo Severo, artista residente do curso de Sonoplastia.

Em sua primeira edição, o Prêmio SP Escola de Teatro homenageou, na noite de ontem (27), a atriz Maria Alice Vergueiro. “A ideia deste prêmio nasceu em dezembro do ano passado, para uma personalidade que nos fosse verdadeiramente significativa, que pudesse dizer um pouco do nosso trabalho, que refletisse um pouco quem a gente quer ser no teatro. Foi incrível porque foi unânime, não houve outro nome. Alguém disse Maria Alice e um segundo nome não surgiu. A Maria é uma das maiores atrizes dos nossos palcos, dos nossos dias”, disse Ivam Cabral, na abertura da festa.

Então, em meio a um cenário que remetia a um cabaré, Maria Alice recebeu homenagens de familiares e amigos. Logo no início, foi exibido um filme com imagens marcantes de sua carreira, com cenas de peças como “Mãe Coragem”, de Bertolt Brecht; ao lado de Luiz Roberto Galizia, seu ex-aluno e com quem fundou, com Cacá Rosset, o grupo Teatro do Ornitorrinco, entre outras. “Tenho notado em mim uma forma de compreender o que aconteceu na minha vida, o reconhecimento. Ando chorando à toa. Percebo que a vida teve sentido. E está sendo uma dádiva esse trabalho de ocupação na SP Escola de Teatro. Eu me sinto rejuvenescer ao lado dessa moçada, que também fica mais jovem. Hoje, meus amiguinhos têm 11, 12 anos. Agradeço a Ivam, Rodolfo e Joaquim pela oportunidade e pela homenagem. Agora vou parar de falar, para não chorar”, disse a grande estrela da noite.

E, como uma das surpresas do evento, dois amigos de Maria Alice, Rubens Caribé e Carlos Blauth, interpretaram “A Canção do Hedonista”, composta por Ricardo Severo, especialmente para a atriz. “Posso dizer, sem exagero, que se eu estou aqui hoje, me dedicando ao estudo e à prática da pedagogia do teatro, é por sua causa, Maria. Obrigado”, disse Joaquim Gama, coordenador pedagógico da Escola.

 





Maria Alice recebe um beijo de Ivam Cabral, tendo ao seu lado os amigos Rubens Caribé e Carlos Blauth
(Fotos: André Stefano)

A seguir, foi a vez de o ator Bruno Fagundes assumir o posto de mestre-de-cerimônias, na entrega do Prêmio Aplauso Brasil de Teatro (clique aqui para assistir ao depoimento de Bruno sobre a emoção de apresentar o prêmio). “Quero agradecer ao Ivam Cabral pela materialização deste troféu e também ao Bruno, que só agrega prestígio a esta festa. A escolha dele para apresentar o prêmio foi porque, como esse troféu, que começa agora, o Bruno também está dando seus primeiros passos na carreira de ator. E que o prêmio, como o Bruno, tenha vida longa e de sucesso”, disse o idealizador do prêmio, o jornalista Michel Fernandes, fundador do site Aplauso Brasil.

A primeira categoria premiada foi Dramaturgia. Depois, vieram os premiados em melhor Trilha Original, Atriz Coadjuvante, Ator Coadjuvante, Homenagem, Diretor, Elenco, Atriz, Ator, Grande Destaque, Produção Independente, Musical e Grupo. “O ator é como um Deus. E tive o privilégio de trabalhar com uma atriz que é um Deus em cena, sem perder a humanidade: a Mariana Terra”, disse Daniel Lobo, melhor diretor pela peça “Nise da Silveira – Senhora das Imagens”, grande vencedora da noite, com três prêmios, referindo-se à protagonista de seu espetáculo, que também levou a estatueta na categoria melhor Atriz.

A noite foi encerrada com uma apresentação-surpresa dos aprendizes da Escola, que acompanhados por Carlos Blauth ao piano e com alguns colegas munidos de cuíca e pandeiros, interpretaram a “Canção de Mandelay”, como se fosse um número de cabaré. 

A seguir, a lista completa dos premiados com o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro 2012, em suas respectivas categorias:

 
Melhor Espetáculo de Grupo
“Toda Nudez Será Castigada” – Grupo Macunaíma/ CPT
 
Melhor Espetáculo de Produção Independente
“Atreva-Se!” – Velloni Produções
 
Melhor Espetáculo Musical
“Priscilla, a Rainha do Deserto” – GEO
 
Melhor Ator
Antônio Fagundes por “Vermelho”
 
Melhor Atriz
Mariana Terra por “Nise da Silveira – Senhora das Imagens”
 
Melhor Ator Coadjuvante
Antônio Petrin por “Hamlet”
 
Melhor Atriz Coadjuvante
Rafaela Cassol por “Mormaço”
 
Melhor Dramaturgia
Ricardo Inhan por “Mormaço”
 
Melhor Elenco
“A Família Addams”
 
Melhor Diretor
Daniel Lobo por “Nise da Silveira – Senhora das Imagens”
 
Melhor Trilha Original
João Carlos Assis Brasil Por “Nise da Silveira – Senhora das Imagens”
 
Destaque
Bibi Ferreira – 90 Anos


Homenagem
Programa Vivo EnCena






 

Texto: Majô Levenstein

 

Relacionadas:

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS