No Dia Mundial do Teatro

Publicado em: 27/03/2014

* por Ivam Cabral, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

O Dia Mundial do Teatro, que é celebrado hoje, 27 de março, sempre me traz uma enxurrada de questões que me colocam em estado de reflexão. Daí, vou refazendo meu trajeto, desde o início, desde garoto na pequena e adorável Ribeirão Claro, no interior do Paraná. Revivo as histórias inesquecíveis – as más também, por que não? – que permearam minha trajetória. E, principalmente, me questiono sobre a atual situação do teatro e os caminhos que o futuro aponta para esta arte que tem sido tão desvalorizada ao longo da História.

 

É neste momento que me deparo com o desânimo por estarmos (aqui, refiro-me a todos que, como eu, dedicaram parte fundamental de suas vidas ao teatro) em meio a um oceano de obstáculos. Mas, apropriando-me daquilo que é mais intrínseco aos profissionais de teatro, encho o peito de esperança para também enxergar aquilo que tem sido feito de bom em prol de nossa arte.

 

Então, para deixar o dia mais alegre e esperançoso, quero homenagear dois artistas que encabeçam projetos que me enchem de orgulho: Kil Abreu, pela curadoria do Centro Cultural São Paulo; e Valmir Santos, pelo Teatro Jornal – Leituras de cena (www.teatrojornal.com.br).

 

O paraense Kil, além de respeitado jornalista, pesquisador e crítico teatral, prova ser um dos nossos grandes curadores. Ele é um dos principais responsáveis por devolver ao CCSP sua vocação, que é ser, na essência, um grande centro cultural. Em anos anteriores, o centro andou capengando, perdendo, pouco a pouco, sua importância para a cidade. Vê-lo recuperar o prestígio e a vitalidade desse espaço, fundamental para a cultura de nossa cidade, é uma das razões de minha felicidade no dia de hoje.

 

Já Valmir Santos, jornalista, pesquisador e crítico paulista, que ao longo de sua trajetória tem tentado, constante e incansavelmente, buscar um sentido à crítica e à reflexão, parece ter dado uma lufada de ares com seu projeto Teatro Jornal. Valmir criou uma ponderosa rede composta por jornalistas e pesquisadores para estimular a troca de informações e ideias, num grande esforço pela descentralização da circulação de espetáculos e artistas no Brasil, um dos problemas mais sérios do cenário cultural nacional.

 

Assim, nesse Dia Mundial do Teatro, meu coração pulsa com todos os que batalham, muitas vezes sob condições precárias, para garantir a sobrevivência dessa apaixonante e imprescindível arte milenar.

 

Pra finalizar, um apelo: homens e mulheres de teatro, unamo-nos!