Módulos Azul e Verde Integram o Primeiro Semestre de Estudos dos Aprendizes

Publicado em: 02/02/2011

Faz parte da proposta pedagógica e artística da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco unir processos de criação à formação técnica.  Nesse sentido, torna-se fundamental buscar parcerias de trabalho entre o formador e o aprendiz. Assim, ambos tornam-se responsáveis pelos processos de aprendizagem e investigação teatral.

 

A esses desafios, alia-se a ideia de examinar, de perto, o papel social das artes cênicas e a presença do pensamento crítico nas propostas artísticas.  Para isso, os cursos são estruturados em Módulos, nos quais o conhecimento não acumulativo e não hierárquico constituem a base da proposta fazer para aprender.   Ou seja, oposta à visão tradicional de ensino nossa proposta é que, em cada Módulo o aprendiz seja conduzido primeiro à experimentação e à investigação e, posteriormente, possa operar sobre o campo teórico.    

 

Cada Módulo possui três fases de estudo: Processo (voltado para a investigação cênica e para a pesquisa teórica); Experimento (com propostas direcionadas à prática cênica, envolvendo diversas áreas da produção teatral); e Formação (que busca as formulações teóricas e o pensamento crítico do estudo em questão).  
 

Deste modo, coexistem na estrutura do Módulo  um Eixo Temático (que contextualiza estilos, época e materiais cênicos) e um Operador (que se relaciona com a questão do lugar teatral). Juntos, Eixo Temático e Operador unificam os chamados Componentes Curriculares (temas que formam a Matriz) e permitem a interação entre os oito cursos.
 

Nessa corrente, o aprendiz dos Cursos Regulares de Atuação, Cenografia e Figurino, Direção, Dramaturgia, Humor, Iluminação, Sonoplastia e Técnicas de Palco, frequenta quatro Módulos independentes, cada um com duração de 20 a 21 semanas.
 

Segundo Joaquim Gama, coordenador Pedagógico da SP Escola de Teatro, os Módulos que se iniciam em 2011 mesclarão as três fases de estudo. “Desde o Processo, os aprendizes deverão construir um grupo de trabalho voltado para o Experimento, momento no qual teremos projetos teatrais diferenciados, investigando elementos formulados na fase intitulada Processo e que estão em consonância com o Eixo Temático e o Operador.
 

Neste ano, as aulas matutinas têm início no Módulo Azul, cujas propostas pedagógicas e artísticas terão como material de investigação o movimento Bauhaus e a obra do diretor e dramaturgo Antonin Artaud. “Motivados pelo estudo desses dois materiais, os aprendizes vão trabalhar com a ideia de performatividade no teatro. Além disso, aprendizes matriculados no Módulo Azul, vão poder ocupar vários espaços teatrais, da rua até o banheiro, para se voltar às perspectivas que a própria performatividade propõe”, explica Gama.
 

Já no período vespertino, os novos aprendizes, começarão seus estudos no Módulo Verde, tendo como material de estudo a obra de Anton Tchecov. O Eixo Temático é composto por elementos do Realismo e o Operador está relacionado à caixa preta, ao palco italiano.
 

A SP Escola de Teatro baseou seu sistema pedagógico em três pilares que se sustentam na “pedagogia da autonomia”, do educador Paulo Freire; no “conceito de território” e sua aplicação no processo teatral, inspirada nos ensinamentos do geógrafo Milton Santos; e na noção de “conhecimento sistêmico”, do físico e ambientalista Fritjof Capra.
 

“Assim, percebemos que formar um indivíduo é muito mais do que treiná-lo, condicioná-lo para o desempenho de determinadas funções, mas provocá-lo para que ele investigue, experimente e crie. Esta é a verdadeira vocação da SP Escola de Teatro”, conclui Gama.