João Velho: O Cara Legal de "Realismo"

Publicado em: 21/02/2013

O consciente e o inconsciente de um homem são confrontados criando um plano onde o espectador não sabe o que é, de fato, real. Assim, a Imprecisa Companhia resume a história de “Realismo”, peça de Anthony Neilson, que o grupo estreia hoje (22), no Centro Cultural da Justiça Federal, na região central do Rio de Janeiro.   

Na trama desta comédia dramática, acompanhamos um dia na vida de um jovem que atende pelo mesmo nome de seu intérprete, João Velho. Sob direção de Tato Consorti, assessor da diretoria executiva da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, o grupo sobe ao palco com Adriano Saboya, Átila Calache, Beatriz Bertu, Christian Landi, Daniela Galli, Paula Braun, além de João Velho e um convidado especial a cada apresentação.

De acordo com o diretor, o texto, inédito no Brasil, flerta com diversos gêneros que perpassam o vaudeville, o absurdo e o nonsense, criando uma estrutura na qual o título da peça não condiz, ironicamente, com uma possível primeira leitura de seu significado.

Em entrevista ao portal globoteatro.com.br, João Velho conta que há tempos queria trabalhar com Tato Consorti. “Eu já tinha visto a direção do Tato em ‘Rock’n’Roll’ e fiquei encantado! Ele é um cara jovem, como eu, e é superinteligente, conduz os espetáculos com muita inteligência, queria muito trabalhar com ele”, diz.

O espetáculo acontece em um sábado, enquanto João, um cara solteiro, que nunca se casou, espera a ligação da ex-namorada, de quem se separou recentemente. Durante a espera, conhecemos um pouco mais do protagonista: um indivíduo politicamente incorreto, mas totalmente perdoável, porque quando ele se fragiliza, a plateia se compadece.

João não é um cara popular, mas é divertido. Tem poucos, mas bons, amigos e possui uma relação muito bonita com a família, especialmente com a mãe. Enfim, um protagonista que tem tudo para cativar o público, na temporada que segue até 31 de março.


Serviço

Peça: “Realismo”
Quando: De sexta a domingo, às 19h
Onde: Centro Cultural da Justiça Federal
Avenida Rio Branco, 241 – Centro – Rio de Janeiro
Tel. (21) 3261-2550
R$ 20
 



 

Texto: Erika Riedel