Iluminador Beto Bruel ministra palestra na SP Escola de Teatro

Publicado em: 05/11/2013

O iluminador paranaense Beto Bruel, tido como um dos principais profissionais da área de todo o Brasil, ministra uma palestra na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco nesta sexta-feira (8), às 19h. O encontro acontece na Sede Roosevelt da Instituição, com entrada gratuita e aberta ao público.

 

O convidado vai falar sobre o espetáculo “Não sobre o amor” (2008), relatando o passo a passo da criação do projeto de iluminação para a montagem, que foi dirigida pelo encenador Felipe Hirsch. O trabalho nesta peça rendeu ao artista o Prêmio Shell/RJ de melhor iluminação de 2008 e a medalha de ouro no World Stage Design, em Seul (Coreia do Sul). 

 

E esse está longe de ser o único trabalho a render prêmios ao iluminador: em quase 40 anos de profissão, Bruel recebeu nada mais, nada menos que 19 Prêmios Gralha Azul, 6 Prêmios Poty Lazarotto e 3 Prêmios Shell de Melhor Iluminador.

 

Sobre o convidado

Nascido em 1950, na cidade da Lapa, Paraná, iniciou sua carreira de iluminador em 1971. Seu primeiro trabalho profissional foi com o Grupo Momento, na peça “Marat Sade”, sob a direção de Oraci Gemba.

 

Em quase 40 anos de profissão recebeu 19 Prêmios Gralha Azul, 6 Prêmios Poty Lazarotto e 3 Prêmios Shell de Melhor Iluminador.

 

Seus principais trabalhos são: “O menino maluquinho”, com direção de Fátima Ortiz; “Sonho de uma noite de verão”, dirigido por Marcelo Marchioro; “New York by Will Eisner”, encenação de Edson Bueno; “Colônia Cecília” e “O vampiro e a polaquinha”, dirigidos por Ademar Guerra, “As Kamikases”, direção de Cleide Piazecki; “Foz”, encenado por Raul Cruz, “A longa viagem”, por Enéas Lour, “O processo”, com direção de Beto Meira, e “Adolescer.com”, dirigido por Ana Zétola.

 

Um de seus principais parceiros é Felipe Hirsch, com quem realizou espetáculo como: “A vida é cheia de som e fúria”; “A memória da água”; “Nostalgia”; “Como aprendi a dirigir um carro” e “Avenida Dropsie”, “Não sobre o amor”. E em 2006, “O avarento”, de Molière, com Paulo Autran.

 

Foi um dos iluminadores que representou o Brasil no Congresso da OISTAT (Organização Internacional de Cenógrafos, Técnicos e Arquitetos de Teatro), realizado em Praga, na República Tcheca, em 2007/2011.

 

Em 2009, criou a iluminação da peça “Viver sem tempos mortos”, com Fernanda Montenegro, direção de Felipe Hirsch. Também participou, com a peça “Avenida Dropsie”, do Festival de San Sebastian, na Espanha, e ganhou medalha de ouro no World Stage Design, em Seul (Coreia do Sul).

 

Em 2010, criou a iluminação das peças “Pterodátilos”, direção de Felipe Hirsch, “Hell”, dirigida por Hector Babenco, e “Cinema”, encenação de Hirsch. No ano seguinte, criou a iluminação da peça “Murro em ponta de faca”, direção de Paulo José, de “Trilhas sonoras de amor perdidas” e da ópera “Rigoletto”, encenadas por Hirsch.

 

Em 2012, criou a iluminação do Show “Tributo à Legião Urbana”, e de “O aumento”, direção de Guel Arraes. Em 2013, assina a luz das peças “Agora” e “Puzzle”.

 

Serviço

Palestra: Beto Bruel

Tema: “Não sobre o amor”

Quando: Sexta-feira (8), às 19h

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt

Praça Roosevelt, 210 – Centro

Tel.: (11) 3775-8600

Grátis