Ilú Obá De Min dá aulas sobre corpo e ancestralidade aos estudantes de Humor

Publicado em: 08/10/2019

Corpo e ancestralidade são temas de uma oficina que Adriana Aragão, Beth Beli e Mafalda Pequenino, integrantes do Ilú Obá De Min, têm dado aos estudantes do curso profissionalizante de Humor. O batuque dos tambores, as expressões corporais, a ritualidade e a mitologia dos orixás fazem parte dos encontros semanais.

Nas aulas essencialmente práticas, as orientadoras convidadas falam sobre suas experiências à frente do bloco, contam as histórias da tradição afro-brasileira e ensinam movimentos de dança e corpo presentes nos cortejos o Ilú aos atores e atrizes.   ⠀

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Amigos da Praça (@escoladeteatro) em

As “mãos femininas que tocam tambor para Xangô”, que é o significado do nome do bloco em iorubá, o Ilú foi fundado em 2004 e se baseia no resgate da tradição da cultura negra e das influências africanas na identidade brasileira — como o candomblé, o jongo, o maracatu e a ciranda. Elas desfilam todo ano pelas ruas do centro da capital. ⠀




Relacionadas:

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “É possível falar de masculinidade e feminilidade sem sermos binários?”, por Manfrin Manfrin

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “As cores da foto do menino no poste estão desaparecendo”, por Milena Siqueira

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Se algo de fato existe, ele é feito de carne e sangra”, por Clara Prado

SAIBA MAIS