Hiperinstrumento Arbóreo + 3 Sonoestandartes Diferenciantes

Publicado em: 14/07/2011

Hiperinstrumento Arbóreo + 3 Sonoestandartes Diferenciantes

Por Wilson Sukorski

 

O hiperinstrumento foi concebido e construído pelos aprendizes num desafio considerável, em um curto período de tempo, tanto pela invenção em si, quanto pela funcionabilidade agregada ao design.

 

Partimos da “plástica sonora”, criada pelo querido músico suiço-bahiano Walter Smetak, chamada “Árvore” e, a partir dela, desenvolvemos uma estratégia própria de construção, focalizando basicamente “as sucatas”.

 

A mistura de materiais elétricos, eletrônicos, de pressão de ar e percutíveis, aliados a técnicas milenares de acústica musical, acrescida, ainda, de eletroacústica e circuit bending, é um primeiro contato com aquilo que chamamos de luteria experimental – ramal pouco conhecido da música brasileira.

 

Outro importante aspecto é o desenvolvimento de habilidades hápticas novas, advindas do desafio de explorar diferentes maneiras de tocar música utilizando aquilo que a sociedade joga fora por considerar inútil, sem funcionalidade.

 

Música da sucata numa nova clave, transformada por meio da tecnologia, da imaginação e do inusitado, “streameada”ao vivo pela internet. Partir da sucata, tanto eletrônica, quanto metálica, é também uma metáfora muito forte frente ao universo atual do “clean”, do “cool”, isto é, o que será a sucata do futuro.

 

Agora imagine um contato entre os aprendizes, ou o mundo artístico, bem na esquina do mundo na América real, sem a ousadia, a invenção, o inesperado. Aquilo que nos revela a inclusão do “sou parecido”, se perde, se dilue na multidão e o nosso “som” some na multidão sonante.

 

A aparição de um hiperinstrumento, seus sonoestandartes, movidos a bits, pressão de ar, eletricidade e percussão e as possibilidades musicais geradas, tende a criar um “momento de suspensão do cotidiano”, um diferencial no fluxo do tempo, uma “brecha”.

 

Isto dentro do esboço de um cortejo – que tal procissão com suas paradas, pode num lapso buscar amplificação nos diversos anunciantes das lojas vizinhas, como um “break” de televisão invertido: a arte invadindo por breves períodos o espaço publicitário. Este cortejo permeado de música é todo convite – convite surpresa, convite estruturante, convite diferenciante a que pessoas das mais variadas origens venham para a SP Escola de Teatro dançar, se divertir e quem sabe refletir.

 

Veja, abaixo, o projeto do hiperinstrumento.