Fruto do ventre

Publicado em: 09/07/2013

No clássico “Um bonde chamado desejo”, de Tennessee Williams, a personagem Stella está grávida do brutamontes Stanley Kowalski, quando recebe a visita da irmã, Blanche DuBois, o que desencadeia uma série de situações trágicas.

Ventres férteis costumam render bons dramas. E, às vezes, algumas comédias. Em 2011, durante sua temporada, o monólogo “Meu trabalho é um parto”, com Veridiana Toledo, contava, cheia de humor, as peripécias de uma grávida desempregada, que sai em busca de trabalho. Detalhe: as gestantes tinham entrada gratuita e seus acompanhantes pagavam meia.

Bem mais dramático, o espetáculo “Uma história oficial”, com a Cortejo Cia. de Teatro, que até abril cumpria temporada no Teatro Laura Alvim, no Rio de Janeiro, é baseado na prosa do colombiano Gabriel Garcia Marquez, vencedor de quatro Arlequins no 10º Festival de Teatro Cidade do Rio de Janeiro 2012, entre eles o de melhor espetáculo.

Dirigida por Rodrigo Portella, a trama leva aos palcos personagens responsáveis por inventar uma nova cidade. Entre eles, uma mulher eternamente grávida, que vende seus filhos para sobreviver. O curioso é que, escalada para viver a Mulher Grávida, a atriz Lívia Gomes assumiu o papel com tanto empenho que…  engravidou e teve de ser substituída, às vésperas do parto, no finalzinho da temporada, pela atriz Verônica Rocha.

“Uma história oficial” está rendendo ainda mais frutos benditos: a indicação para o 26º Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro no 1º semestre, na categoria melhor direção.
 

 

Texto: Esther Chaya Levenstein