Fora das Barreiras da Ignorância

Publicado em: 11/06/2012

Submissão e escuridão são as palavras que definem a vida de uma jovem mulher, que vive em uma cabana de um pequeno vilarejo, no qual todos dependem do moinho para processar os grãos e fazer a farinha, produto que sustenta a economia da região.

 

Com base nisso, se desenrola o enredo de “Facas nas Galinhas”, escrita por David Harrower, traduzida por Fábio Ferretti e dirigida por Francisco Medeiros, também coordenador do curso de Atuação da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. A montagem, que já foi apresentada em 25 países, é uma produção da Barracão Cultural e está em cartaz desde o dia 1º de junho, no Espaço da Companhia do Feijão.

 

Tendo no elenco Eloisa Elena, Cláudio Queiroz e Thiago Andreuccetti, a peça retrata a transformação de uma mulher, que passa da ignorância à consciência, após conhecer o dono do moinho, que é odiado por todos por ter fama de bruxo e por ser, talvez, o autor de um crime.

 

Thiago Andreuccetti, Eloisa Elena e Claudio Queiroz em cena (Foto: João Caldas)

 

Segundo o diretor, o percurso desta personagem, num contexto cheio de intrigas e elementos inusitados, é a construção de uma identidade, o desvendamento de um ser e a conquista de uma individualidade.

 

Uma série de desdobramentos ocorre quando a população resolve trocar a pedra do moinho, que já está velha, para agilizar o processo de trabalho, e o moleiro lhes oferece uma bebida, mudando o relacionamento entre as três personagens principais – o dono do moinho, a mulher e o marido.

 

Sobre o processo de direção, Medeiros confessa: “A peça é de uma simplicidade desconcertante, tão absurda, que nos desafia na visualização de uma encenação. Essa ficção dramática não possui truques, efeitos ou golpes de teatro, mas tem fortes e potentes ingredientes narrativos”.

 

O diretor conta ainda que seu perfil não é daqueles que começam um trabalho com uma concepção geral pronta. “Prefiro ser provocado. Minha tarefa é estabelecer uma conexão com as forças dos atores e dos outros artistas envolvidos na montagem e tentar encontrar a organização mais intrigante, capaz de afetar poderosamente a plateia”, diz.

 

A cenografia e o figurino da peça, que têm o papel de serem abstratos e provocativos, são de Marco Lima. A luz, por sua vez, assinada por Marisa Bentivegna, leva ao palco a exata referência de tempo, criando também múltiplos ambientes. A combinação de sons primitivos e naturais, que promove harmonia entre texto e encenação, é de autoria do sonoplasta Dr Morris.

 

Serviço

“Facas nas Galinhas”

Quando: Sextas e sábados, às 21h, e domingos, às 19h. De 1/6 a 15/7.

Onde: Espaço da Companhia do Feijão 

R. Dr. Teodoro Baima, 68 – República 

Tel.: (11) 3259-9086

Ingressos: R$15

 
 
Texto: Jéssika Lopes