EN | ES

Festival de Curitiba cria Mostra Surda de Teatro com ingressos gratuitos

Publicado em: 29/03/2024 | por: Miguel Arcanjo Prado

Fluindo Libras apresenta Surdo, Logo Existo na Mostra Surda de Teatro no 32º Festival de Curitiba – Foto: Giuliano Robert/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial ao Festival de Curitiba*

O 32º Festival de Curitiba, que vai de 25 de março a 7 de abril com 300 atrações na capital do Paraná, tem artistas surdos em destaque na sua programação. O evento apresenta entre os dias 29 e 31 de março, no Teatro Universitário de Curitiba (TUC), a inédita Mostra Surda de Teatro, compartilhando com o grande público a cultura e a expressão artística em Libras – Língua Brasileira de Sinais. As apresentações são totalmente gratuitas e os ingressos podem ser reservados pelo Whatsapp (41) 98903-6987 – Fluindo Libras.

A iniciativa segue a proposta curatorial do Festival, que tem desafiado estereótipos e preconceitos e criado novas oportunidades de sensibilização do público para a importância da diversidade. A inclusão de atores surdos no contexto teatral ouvinte proporciona uma visão mais inclusiva da diversidade humana, enriquecendo a experiência artística.  “A cada ano o Festival de Curitiba se preocupa com a acessibilidade. Acreditamos que esse é um dos papéis fundamentais de um festival. Quando a produção da Mostra Surda chegou com a ideia nós abraçamos na hora!”, afirma Fabíula Passini, diretora do Festival de Curitiba.

A Mostra Surda de Teatro tem curadoria e direção de Jonatas Medeiros e Rafaela Hoebel, artista surda. Com espetáculos e cenas curtas de diferentes regiões do Brasil, a mostra destaca e valoriza a produção teatral da comunidade surda.  Para Medeiros, que é diretor teatral e tradutor de Libras, organizar uma mostra surda dentro do maior festival de teatro da América Latina aponta para “o avanço das pautas políticas das comunidades surdas, em especial na luta pelo reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais, da arte e da cultura surda.” “A mostra revela esse teatro surdo, que por muito tempo ficou circunscrito aos espaços da comunidade surda, sem possibilidade de diálogo com o teatro ouvinte e um público maior”, afirma.

A seleção levou em conta peças que têm artistas surdos em todo o processo da montagem, privilegiando as que têm surdos como protagonistas. “Quisemos mostrar a diversidade da produção do teatro surdo brasileiro. Temos tragédia, drama, palhaçaria, mímica, teatro de bonecos e teatro experimental”, conta o curador. Nesta variedade, há, inclusive, um gênero específico do teatro surdo: “Há uma performance (‘Sede de Sangue’) apenas com visualidades, sem cenário, com pouca iluminação. São os corpos dos artistas que constroem imagens de uma narrativa dramática”, acrescenta.

Rafaela Hoebel observa que há muitas barreiras para a produção do teatro surdo no Brasil, desde o acesso aos editais de cultura, que não oferecem acessibilidade, passando pela falta de intérpretes de Libras nas escolas de arte dramática, o DRT e as seleções de elenco, que raramente contemplam artistas surdos. “Nesse sentido, a Mostra Surda é também uma esperança, um olhar sobre uma mudança que nós acreditamos e lutamos”, finaliza a curadora.

A Mostra Surda de Teatro é uma das ações promovidas pela Fluindo Libras, coletivo cultural voltado para arte surda e tradução em Libras, que contou com o apoio de emenda parlamentar do vereador Angelo Vanhoni. O vereador foi relator do Plano Nacional de Educação em 2016, em que defendeu o reconhecimento e financiamento da educação bilíngue para surdos como modalidade de ensino. Ele também tem apoiado as ações da coordenadoria de arte surda no SATED/PR, articulando a garantia de cotas e direitos linguísticos para artistas surdos dos editais da Lei Paulo Gustavo. “O Festival de Curitiba é vanguardista ao receber a primeira mostra de teatro surdo do Brasil. As peças reforçam a importância da arte como afirmação para a transformação da vida, a afirmação do eu e a urgência de se construir uma sociedade atenta para a vivência de todas as pessoas. Sou muito feliz por fazer parte disso”, afirma Angelo Vanhoni.

Programação Mostra Surda de Teatro

29 de março (sexta-feira)

20 horas

“Surdo, Logo Existo”

A peça narra pontos históricos da proibição da língua de sinais pelo Congresso Mundial de Professores de Alunos Surdos, em Milão, em 1880, e a tomada do corpo surdo como anormal e objeto da ciência moderna. O espetáculo é composto por esquetes que apresentam diversas cenas do cotidiano das pessoas surdas, apresentando aspectos do histórico de opressão da comunidade surda e as diferentes camadas de violências em contextos dominados pela estrutura ouvinte, da literatura filosófica à instituição médica e jurídica, apresenta-se a sistemática exclusão de pessoas surdas numa textualidade corporal e visual. A história é apresentada em língua de sinais de forma poética e visual, sem a “necessidade” de intérprete para ouvintes.

Origem: Curitiba

Duração: 60 min

30 de março (sábado)

11 horas

“UFC: União Força da Comédia, Mimico Putz e Palhaço Surddy”

Nesta peça de palhaçaria Mimico Putz e Palhaço Surddy se enfrentam em um duelo de risadas e criatividade. Com diferentes estilos e habilidades, os dois artistas utilizam a comédia para criar um espetáculo único e inesquecível.

Origem: Macapá e Recife

Duração: 50 min

16 horas

“Espaços”

Em um formato de metalinguagem, um Bombeiro e uma Diretora de Teatro se encontram para debater sobre o local onde ficará o extintor de incêndio, novo item obrigatório que deverá ser instalado em lugar visível no teatro. Faltando apenas duas horas para iniciar a peça, ambos criam um embate sobre o local do objeto. “Espaços” é uma dramaturgia que busca investigar as macros e micros relações que temos e construímos, sobre egos, fantasias e disputas por diferentes territórios e subjetivações, em especial no espaço teatral.

Origem: Curitiba

Duração: 15 min

16h20

“Visualinguas”

(Texto traduzido para o português como segunda língua). Os Olhos e As Bocas Línguas de sociedades as mulheres surdas não-denúncias sociedade machismos poder e solo mulher surda e preta como luta, surdas feministas e manifesta se contra os machismos e sexismos para surdas sofre, denunciar sociedade.

Origem: Curitiba

Duração: 15 min

21 horas

“Sede de Sangue” (estreia nacional)

Em um mundo onde a sede de poder é alimentada pelo machismo, a trama se desenrola através das adversidades enfrentadas por uma jovem mulher surda diante de um homem. Essa narrativa revela os danos individuais e sociais causados por atitudes como assédio, menosprezo do feminino, estupro e violência nos relacionamentos, deixando cicatrizes profundas. No entanto, essa mulher surda consegue escapar desse ciclo de opressão, virando o jogo da violência. Determinada a quebrar as correntes do machismo, ela canaliza todo seu tempo e energia para planejar uma vingança que reverbera contra a figura estrutural do machismo: o homem. A peça visual, destaca a busca pela liberdade genuína, questionando se as mulheres são verdadeiramente livres e se seus direitos são equiparados aos dos homens. E quando a violência é a mesma, porém uma vingança? “Mulher é ser de carne e osso, pulsante de sentimentos, e está na hora de reconhecermos isso!”

Origem: Recife

Duração: 40 min

31 de março (domingo)

11 horas

“Um Perfume Pra Te Conquistar”

A peça apresenta de forma romântica e engraçada a história de um palhaço surdo, apaixonado e galanteador, que busca de todas as formas conquistar o coração de sua amada. Criada, produzida e encenada pelo casal Rodrigo Custódio e Natália Rigo – conhecidos artisticamente como Bibi&Nati – a esquete compreende a poética do Teatro de Animação em Língua de Sinais (TALS). A técnica envolve a animação de bonecos híbridos, cujos corpos se mesclam com os dos atores. Desde 2011, Bibi&Nati vem trabalhando com esse encantador gênero teatral. A mostra encanta o público infantil e adulto, surdo e ouvinte usuário da língua de sinais, ao inovar e compartilhar desse rico encontro de técnicas e estéticas.

Origem: Florianópolis

Duração: 20 min

18 horas

“Dois Perdidos: A Língua não dita numa relação”

Dois homens, um intérprete de Libras e um Surdo estão em cena discutindo questões acerca de dois mundos, o privilégio de ouvir e o mundo surdo. Conflitos e choques culturais são colocados em um mesmo ambiente e, ambos, precisam resolver, ou não. Livremente inspirado no universo de Plínio Marcos.

Origem: São Paulo

Duração: 50 min

Serviço

Mostra Surda e Teatro – 32º Festival de Curitiba

Dias: 29, 30 e 31 de março

Local: Teatro Universitário de Curitiba (TUC) – Galeria Júlio Moreira, Tv. Nestor de Castro, s/nº – Centro

Ingressos gratuitos devem ser reservados com a Fluido Libras pelo whatsapp (41) 98903-6987

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado, coordenador de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro, viajou a convite do Festival de Curitiba.




Relacionadas:

Notícias | 17/ 04/ 2024

Veja como foi a roda de conversa sobre oficinas na Fundação Casa Chiquinha Gonzaga

SAIBA MAIS

Notícias | 17/ 04/ 2024

Veja como foi o curso de extensão “Do circo à capoeira: um fazer brasileiro”

SAIBA MAIS

Notícias | 16/ 04/ 2024

Cursos de extensão de Cinema Queer e Dança são abertos na Unidade Roosevelt

SAIBA MAIS