Entre Textos e Cenas

Publicado em: 24/10/2011

Assim que chegou à capital paulista o riberãopretano Lucas Arantes conseguiu o trabalho de repórter na SP Escola de Teatro – Centro de  Formação das Artes do Palco. Dois anos se passaram, o lado dramaturgo desse artista floresceu e outro caminho foi traçado em sua vida.

 

Antes de mudar-se para São Paulo, Lucas trabalhou nos principais jornais de Ribeirão Preto. Em 2007, lançou o livro “Sonidos, Documentos Inúteis, Poemas na Mesa Posta ou o Clã do Urso da Floresta”, publicado pela editora Deriva, de Porto Alegre. Dois anos depois, assinou o romance “O Outro Estranho”, pela mesma editora, e também se aventurou em sua primeira experiência como dramaturgo com o espetáculo “Suspensão”, encenado pela Trupe Acima do Bem e do Mal.

 

Em 2010, participou do projeto “O Escritor nas Bibliotecas”, da prefeitura de São Paulo, no qual visitou inúmeras bibliotecas da capital para falar sobre sua trajetória como escritor. Do texto para a direção de cena, em 2011, encenou o espetáculo “Perdido”, também de sua autoria, além de ministrar oficinas de poemas por meio do projeto “Leitura Atenta”, da Oficina de Escrita Criativa.

 

Neste ano, Arantes voltou à sua terra natal para mediar duas oficinas de Dramaturgia intituladas “Novas Narrativas Teatrais”, no Sesc Ribeirão Preto e no espaço Ribeirão Em Cena. E, ainda neste mês, enfrenta mais um desafio com a assistência de direção da peça “Deve Ser do Caralho o Carnaval em Bonifácio”, com texto e direção de Mário Bortolotto.

 

A peça que estreia na quinta-feira (27), no Espaço Satyros II, se passa na sala da casa dos irmãos Élcio e Bel que, em uma reunião com o amigo Renato, discutem estereótipos de maneira ingênua. Falam sobre o tempo, o clima e visões pessoais de um país desconhecido por eles: a França.

 

Todos têm um desejo quase desesperado de deixar a realidade em que habitam e as demonstrações de afeto são feitas de forma tão velada que chegam a ser violentas. Com humor ácido e triste, as personagens tentam uma vida diferente, possível apenas na ideia de que em outro país tudo será melhor.

 

Arantes também é autor do espetáculo “Ar Vazio”, que fica em cartaz até quarta-feira (26). Com o elenco formado pela Cia. Inerente, a montagem retrata a perda e a separação. Nela, o casal Penélope e Pedro sofre um acidente de carro e um deles não resiste. Separados pela tragédia, Pedro, no mundo dos mortos, tenta se livrar das memórias que o cercam para enfrentar sua nova realidade. Penélope, porém, não consegue colocar fim à história e vive no seu universo de boas lembranças.
 
 

Apesar do tom trágico, o espetáculo retrata, também, o amor e a vida a dois. A montagem tem um elenco formado por Igor Pushinov e Flávia Teixeira. Além da iluminação e da sonoplastia, Pedro Cameron assina a direção, ao lado de Yukari Carolina.

 

 

Serviço

“Deve Ser do Caralho o Carnaval em Bonifácio”
Quando: Até 15/11. Quintas-feiras, às 21h
Onde: Espaço dos Satyros Dois
Praça Franklin Roosevelt, 134
Tel.: (11) 3255-0994
Quanto: R$ 20,00; R$10,00*; R$ 5,00**

* Estudantes, Classe Artística e Terceira Idade
** Oficineiros dos Satyros e moradores da Praça Roosevelt

 

“Ar Vazio”
Quando: Até 26/10. Quarta-feira, às 21h
Onde: Espaço Satyros 1
Praça Franklin Roosevelt, 214
Tel.: (11) 3255-0994
Ingressos: R$ 20,00; R$10,00*; R$ 5,00**

* Estudantes, Classe Artística e Terceira Idade
** Oficineiros dos Satyros e moradores da Praça Roosevelt

 Texto: Renata Forato