Ênio Gonçalves morreu

Publicado em: 07/10/2013

* por Ivam Cabral, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

1987. Estudava teatro no Guaíra, em Curitiba. E, naquela época, gozava do privilégio de, aos 23 anos, ter assistido aos trabalhos de quase todos os meus ídolos nacionais: Paulo, Bibi, Fernanda, Flávio Rangel, Lauro César Muniz, Guarnieri, Fagundes, Tônia, Maria Alice Vergueiro, Cida Moreira, Antunes, Irene Ravache, Dina Sfat… Porém, Maria Della Costa, eu nunca tinha visto. E era seu fã confesso. Aliás, pra mim, a mulher mais bonita que pisou sobre a terra.

 

Acontece que, embora o meu curso de Artes Cênicas fosse validado pela PUC, as minhas aulas aconteciam no Teatro Guaíra. Nossas classes de trabalho ficavam ao lado dos camarins do Guairão. Assim, assistíamos a todos os espetáculos que apareciam por ali. Inclusive “varando” o teatro.

 

Sabem o que é “varar” um espetáculo? É um termo que eu conheço da minha infância e significa entrar num espetáculo sem pagar. Para isso, no entanto, vale qualquer coisa. Desde subornar o porteiro, até entrar no espaço da apresentação das formas mais ilegais possíveis. Cansei de fazer isso nos circos que apareciam na minha Ribeirão Claro e, depois, no Teatro Guaíra.

 

No Guaíra, inclusive, ficávamos escondidos no meio das cortinas aveludadas do teatro. E me lembro, certa vez, que para ver o Ney Matogrosso fiquei plantado atrás das cortinas do Guairão por quase dez horas!

 

Ênio Gonçalves morreu aos 70 anos

 

Mas estava falando dos meus ídolos. Sim, em 1987 eu nunca tinha visto Maria Della Costa. E, num belo dia, ela aparece em Curitiba para apresentar “Alice que delícia”, texto do Bivar, dirigido por Odavlas Petti. No elenco, além de Maria, o talentoso ator Ênio Gonçalves.

 

Fui sozinho àquela sessão e, na plateia do Guairinha, na estreia de Maria, não tinha mais do que 30 pessoas. E o espetáculo, uma comédia, não fluiu muito bem, não.

 

Ao término, esperei que o público saísse do teatro e me dirigi ao camarim para dar um beijo no elenco.

 

O que encontrei, no entanto, foi um clima devastador. Maria estava chorando, consolada pelo Ênio. Teria dado meia volta se Maria não me chamasse para o abraço. Assim, nós três nos abraçamos no choro de Maria.

 

Ficamos assim por vários minutos. E eu até me sentia um tanto desconfortável porque não os conhecia e me imaginava intruso ali.

 

Ao término do abraço, não houve as apresentações. E foi Maria quem começou a falar. Contou que naquela noite havia acontecido duas coisas importantes. 

Uma boa, outra má. A má, que o seu produtor e companheiro de anos, Sandro Polônio, estava muito mal num hospital em São Paulo. A boa, que Ênio havia ganhado o Kikito de Ouro, em Gramado, como melhor ator por “Filme demência”.

 

– E veja como é a vida. O Ênio, aqui, celebrando o futuro com o prêmio de melhor ator e eu, o meu fracasso. Afinal, vida e morte caminham juntos.

 

Foi assim que conheci o Ênio Gonçalves. Um ator esplendoroso, com um talento acima do normal. E que morreu no sábado (5).

 

E Maria, aos oitenta e tais anos, hoje vive linda, em Paraty.

 

 

Saiba mais sobre a trajetória de Ênio Gonçalves na Teatropédia

Relacionadas:

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS