Coletivo Teatro Dodecafônico investiga performance urbana em residência na Escola

Publicado em: 21/02/2014

“Errar é urbano”. Eis uma das ideias norteadoras da residência que Verônica Veloso e seu Coletivo Teatro Dodecafônico cumprem na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco a partir de março. Intitulada Deriva Dodecafônica, trata-se de um grupo de estudo e experimentação em intervenção e performance urbana. Para a investigação, o projeto utilizará o entorno da Escola. 

 

Dedicado a interessados em “ocupar ou pensar a rua como espaço de ação”, como explica Verônica, o grupo terá encontros às terças-feiras, das 14h30 às 18h30, de 11 de março a 24 de junho. Ao lado dela, as artistas operantes são Beatriz Cruz e Sandra Ximenez.

 

“A proposta é experimentar o corpo e a voz em ações artísticas na rua. Os encontros serão realizados em torno de uma coleção de procedimentos organizada pelo Coletivo e do estudo de performances e intervenções de alguns artistas escolhidos”, comenta Verônica.

 

Aprendizes – egressos e atuais – e interessados em geral poderão se inscrever para participar pelo e-mail teatrododecafonico@gmail.com, com envio de carta de interesse e breve currículo até o dia 6 de março. São 20 vagas ao total, divididas entre várias áreas: atuação, direção, cenografia como pesquisa de recorte urbano, sonoplastia, entre outras. O resultado será divulgado por e-mail até o dia 10 de março.

 

A residência não prevê temporada ou estreia, mas será possível uma mostra de processo através de exposição de fotos e/ou vídeos produzidos durante o processo.

 

De acordo com Verônica, alguns dos objetos da pesquisa são: análise de performances e intervenções urbanas realizadas por outros artistas e coletivos; busca por novas configurações de dispositivos de jogo, inspirados em performances e intervenções pré-existentes, a fim de realizar ações artísticas em espaços públicos; errância para sensibilização ao espaço urbano: busca por trajetos para a intervenção e enquadramentos para a realização das ações artísticas; busca de recortes espaciais ou pontos específicos da cidade de onde observar teatralidades e coralidades imanentes da esfera pública; exploração de deslocamentos variados, modos, pausas e temporalidades; composição de coralidades no espaço público.

 

 

Coletivo Teatro Dodecafônico

 

É um conjunto de artistas reunidos em torno da pesquisa de procedimentos para a composição da cena teatral contemporânea, na qual todos os elementos da linguagem cênica (texto, espaço, corpo, tempo e som) têm igual relevância. Têm especial interesse para o Coletivo propor interações entre procedimentos do cinema e do teatro para a criação cênica, assim como a relação entre corpo e arquitetura na encenação.

 

As cenas são criadas como se o público fosse uma câmera que observa os atores. O corpo é trabalhado a partir dos princípios técnicos desenvolvidos por Klauss Vianna. Os atores assumem figuras; raramente, são vistos como personagens. As figuras são compostas por meio da composição corporal, físico-vocal.

 

Toda composição do Dodecafônico é uma reação a uma obra de referência: um texto literário, um filme ou uma imagem pictórica. A partir dessa escolha, o Coletivo procura reagir à obra, e não adaptá-la para o contexto teatral. Reagir é transpor (no caso da literatura, sem transformar discurso indireto em direto); reagir é transformar (a obra original como propulsora de novas formas textuais e imagéticas) e reagir é montar, como na linguagem cinematográfica (sobrepor elementos, criar em camadas).