Ciclo de conferências tem novo debate sobre questão indígena

Publicado em: 16/09/2013

O ciclo de conferências que compõe o projeto “Sonata fantasma bandeirante”, residência artística do dramaturgo e encenador de origem amazonense Francisco Carlos na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, teve seu segundo encontro no último sábado (14), na Sede Roosevelt da Instituição.

 

Nele, Katia Maria Abud, doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), falou sobre o tema “O bandeirante como representação da entidade paulista e o bandeirismo de apresamento e escravização indígena. Do seiscentos (século 17) à Chicago – SP do século 20. Símbolos e críticas.”. Já o cientista social guarani Emerson Oliveira discorreu sobre “Ensino da história e cultura indígena em todas as escolas do Brasil, segundo o ponto de vista dos índios”.

 

Da esq. p/ a dir.: Emerson, Francisco, Katia e Danilo Silva Guimarães (Foto: André Stéfano)

 

A próxima conferência do ciclo acontece hoje (16), das 19h30 às 22h30, na Sede Roosevelt da Escola, com Spensy Pimentel falando sobre “A palavra-ação sagrada: a voz política e os movimentos coletivos Guarani. Cosmopolítica indígena”, e Eloisa Leão com “Performance vocal”.

 

As palestras ganham continuidade nos dias 23, 28 e 30 de setembro. Todas têm entrada gratuita e são abertas ao público, na Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro.

 

Currículo dos participantes:

Spensy Pimentel

Graduado em Jornalismo pela USP, Mestre e Doutor em Antropologia Social pela FFLCH/USP e pesquisador do Centro de Estudos Ameríndios (Cesta, antigo NHII). Entre 2010 e 2011 realizou estágio de pesquisa junto ao Instituto de Investigações Antropológicas da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM). Como pesquisador, já realizou trabalhos para a ONG Repórter Brasil, a Secretaria de Direitos Humanos e a Fundação Nacional do Índio (Funai). Desde 2008, organiza e ministra cursos e palestras de difusão sobre a temática indígena, voltados a educadores, jornalistas e outros profissionais. Em 2010 organizou, com Joana Moncau, edição especial da revista Caros Amigos sobre a questão indígena no País. Colabora, atualmente, com publicações como Revista do Brasil, Agência Pública, Retrato do Brasil, Carta na Escola e Desinformémonos.

 

Eloisa Leão

Mestranda em Psicologia Experimental no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), cantora lírica (mezzo-soprano), solista de várias óperas, operetas, recitais e concertos. Trabalhou no Coro da Osesp e, como convidada, no Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo, sob regência de Eleazar de Carvalho, John Neschling, Roberto Minczuk, Jamil Maluf e Luís Fernando Malheiro, entre outros. Realizou os shows “Un año de amor – nas trilhas de almodóvar” e “Corazón sangrante”. Como atriz fundou, com Francisco Carlos, o grupo Trompas de Phalópio, com o qual apresentou várias peças e performances em Belém e Brasília. Em São Paulo, participou da montagem de “Banana mecânica”, de Francisco Carlos, no Espaço dos Satyros. 

 

 

Serviço

Ciclo de Palestras:

 

Dia 16 de setembro, das 19h30 às 22h30

Spensy Pimentel | A palavra-ação sagrada: a voz política e os movimentos coletivos Guarani. Cosmopolítica indígena.

Eloisa Leão | Performance vocal.

 

Dia 23 de setembro, das 19h30 às 22h30

Maria Inês Ladeira | Territórios, terra, mundo, espaço, migrações (mobilidade), míticas e o modo de ser Guarani.

Clissia Morais | Direção de arte em cinema e teatro indígena.

 

Dia 28 de setembro, das 12h30 às 14h30

Peter Pál Pelbart | Pensamentos e poéticas nômades e migrantes.

 

Dia 30 de setembro, das 19h30 às 22h30

Gianni Puzzo e Melina Bertholdo | Exibição do filme “Yvy Rupa – a terra é uma só! Visões Guarani da história da América”, de Jera Guarani e Gianni Puzzo, seguido por debate com os autores. 

 

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt

Praça Roosevelt, 210 – Consolação

Tel. (11) 3775-8600

Grátis

 

 

Texto: Felipe Del