Cia. Más Caras se Renova Lançando Duas Montagens

Publicado em: 15/07/2011

“Devir” é um conceito filosófico do período pré-Socrático que significa “vir a ser”, mudança constante. Pensando neste processo de construção ininterrupto e inacabado, o Coletivo Más Caras desenvolveu a pesquisa intitulada Trabalhos em Devir, que deu origem aos espetáculos “Sobre Guarda-Chuvas, Malas e Cadeiras Vazias” e “Memórias Póstumas de Hamlet”.

André Gomes, aprendiz de Humor da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, é integrante do grupo desde 2010. “Comecei como sonoplasta e iluminador, e em ‘Memórias Póstumas de Hamlet’, será a primeira vez que vou interpretar pelo Coletivo”, comenta.

Além de Gomes, outros três aprendizes da Escola participam das montagens: Alice Nascimento, de Técnicas de Palco; Charly Ho, de Iluminação; e Fagner Saraiva, de Humor.

 

Encontros e Desencontros

 “Sobre Guarda Chuvas, Malas e Cadeiras Vazias” ilustra de maneira precisa a filosofia de trabalho do coletivo. De três apresentações (dias 18, 19 e 20/07), nenhuma será igual a outra, cada uma tem sua particularidade, como um personagem especial em cada exibição. Além de fazer a sonoplastia em todas, Gomes ainda atua no último dia. A trama da peça é ambientada em um bar, localizado em uma cidade conhecida como “o último lugar de encontro do mundo”, onde pessoas que deixaram suas antigas casas se reúnem. 

“As pessoas estão em movimento, tudo sempre está em movimento. Dessa forma, pensamos que não poderíamos fazer a mesma coisa sempre. Por essa razão, costumamos revisitar nossas criações com certa frequência”, analisa Gomes.

 

Fragmentos da Memória de Hamlet

Já em “Memórias Póstumas de Hamlet”, o aprendiz vai interpretar nas três apresentações, que serão realizadas nos mesmos dias da outra peça. No entanto, apesar de ser passível de mudanças, a estrutura da montagem será a mesma em ambas. “Mesmo faltando pouco tempo, não temos problemas em fazer alterações. Porém, fazemos tudo isso com consciência do nosso foco, para não correr o risco de desfalcar nossa obra”, observa.

A peça narra a trajetória do príncipe da Dinamarca, destacando sua relação com as outras personagens. “Adotamos uma linguagem contemporânea. O diálogo com Shakespeare acontece sob a nossa perspectiva, com as referências que nós, brasileiros do século XXI, temos. Ir em direção a ele nos estimula”, afirma.

Ambas as montagens estarão em cartaz, com entrada franca, no Teatro Ruth Escobar, o qual, aliás, agrada bastante ao grupo. “Gostamos de lá porque é menor, cria uma relação de intimidade maior com o público. Também é menos glamuroso, o que condiz com nossos espetáculos, pois não é nosso intuito fazer grandes produções”, finaliza Gomes.

 

Serviço

“Sobre Guarda-Chuvas, Malas e Cadeiras Vazias”

Quando: 18, 19 e 20 de julho, às 19h

Onde: Teatro Ruth Escobar – Sala Myrian Muniz

Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista

Entrada franca

 

“Memórias Póstumas de Hamlet”

Quando: 18, 19 e 20 de julho, às 21h

Onde: Teatro Ruth Escobar – Sala Myrian Muniz

Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista

Entrada franca