EN | ES

Caldeirão de Cultura

Publicado em: 21/07/2010

A Feira Cultural dominou o Território Cultural, realizado no sábado, 17 de julho. Com atividades propostas e executadas pelos aprendizes da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, a tarde foi repleta de atrações. A primeira foi à apresentação de uma exposição de objetos manipuláveis, montada pelos alunos de Técnicas de Palco. Utilizando parte da mostra, eles fizeram uma encenação de 15 minutos baseada no conto “Chapeuzinho Vermelho”.

Quando a atividade foi finalizada, o público lotou a sala do primeiro andar para assistir a um trecho da peça “O Cerejal”, de Anton Tchekhov, com direção de Luciana Ramim, levada à cena pelos alunos de Direção e por atores convidados. A história está sendo adaptada pelos integrantes para virar um curta-metragem. “Acho que nós faríamos muito mais se calássemos a boca”, diz uma personagem no decorrer da narrativa. Para Vanessa Sousa, aluna do curso de Direção, o universo da trama é sobre a melancolia do real. “O mundo ideal só existe no encontro entre essas personagens. É um mundo de sonhos e delírios, distante da riqueza que um dia eles já ostentaram”, explicou.

Em seguida, os aprendizes de Sonoplastia mostraram a criação da trilha sonora do documentário “O Homem com uma Câmera”, dirigido pelo russo Dziga Vertov, em 1929. Os efeitos sonoros foram gravados e executados ao vivo. Antes da exibição, Martin Eikmeier, formador de Sonoplastia, fez uma confissão: “Lembro do primeiro exercício de vocês ao entrarem na Escola. Entre a primeira e a última atividade, há um grande amadurecimento de todos nós”.

Durante as aulas de Humor, os alunos fizeram exercícios de mímica baseados na estética das histórias em quadrinhos. Com orientação da formadora Dani Biancardi, o resultado foi conferido na penúltima atividade do dia. Pequenas sátiras foram criadas tendo como base filmes de ficção científica, contos de mistério, histórias infantis e fatos históricos.

A regra do Sarau Cultural era uma apresentação de dois minutos para cada participante. Com a participação de alunos, funcionários e visitantes, a atividade encerrou o Território Cultural. Ao final, o aprendiz de Humor Gustavo Gonçalves, que organizou o evento, convidou o público para participar da “Poesia da Alma”, uma ação que ele criou na hora. “Agora, vamos fazer uma roda e olhar cada um dentro dos olhos uns dos outros.” Por um instante, cada participante venceu a vergonha e encarou os colegas que compunham a roda. “O silêncio tem uma magia misteriosa. A idéia foi boa. Tive que vencer a minha vergonha e olhar dentro dos olhos de quem eu mal conhecia. Vi que todos estavam experimentando a mesma sensação da brincadeira”, resumiu Willian Carioca, aluno de Técnicas de Palco.