Bob de onde?

Publicado em: 20/03/2014

* por Bob Sousa, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

Sou apenas um homem de teatro. Sempre fui e sempre serei

um homem de teatro. Quem é capaz de dedicar toda a vida à

humanidade e à paixão existentes nestes metros de tablado,

esse é um homem de teatro.

Millôr Fernandes e Flávio Rangel, na peça “Liberdade, liberdade”

 

 

 

Sou apenas um fotógrafo de teatro. Embora existam outros, dedicados há mais tempo do que eu à tarefa de registrar a cena paulistana, há quem me chame assim: Bob, o fotógrafo do teatro.

 

Desconfio que o façam em razão da ausência de sobrenome institucional a citar. Não sou fotógrafo do jornal X, nem da revista Y. Já quis ter um sobrenome desses, é verdade. Quando comecei, meu sonho era ter um crachá de imprensa que me permitisse conferir a peça que quisesse, quando quisesse – principalmente nas ocasiões em que dei com a cara na porta ao tentar clicar um ator ou diretor mais conhecido. “Bob de onde?”, perguntavam alguns.

 

Hoje, não troco por nada a liberdade de escolher as peças a que assisto, os artistas que fotografo, o ângulo ou a textura que mais me agradam, sem interferir na cena nem me preocupar com o que o editor vai achar. É claro que não deixo de publicar fotos em jornais nem de fazer fotos sob encomenda. Mas não é esse o foco do meu trabalho, nem é isso que vocês encontrarão nas próximas páginas. Os retratos reunidos neste livro são o resultado de mais de dez anos de dedicação, intensa e amorosa, ao tema que mais me fascina: o registro do teatro.

 

O teatro me deu tudo. Surgiu na minha vida quando eu era adolescente e atuava em um grupo amador. Por circunstâncias da vida, virei o manche e saí de cena. Pelo menos da forma convencional. Ao mesmo tempo, pensava em ser fotógrafo desde cedo. Lembro-me de folhear revistas, aos 6 ou 7 anos, encantado com as fotos. Mais do que paisagens, me interessavam as pessoas, os retratos. Só consegui unir a fotografia ao teatro com as câmeras digitais. Não poderia produzir tanto, por minha conta, na época dos cromos e negativos. Equipado com cartões de memória, coloquei a mochila nas costas e saí por aí, fotografando. Nunca entendi direito meu papel na fotografia de teatro – mas nunca parei para pensar a fundo sobre isso. O que me interessava era estar nas salas, conhecer pessoas, registrar. Por muito tempo, só fotografei espetáculos. Os retratos vieram depois, há cerca de três anos, acho que da necessidade de me aproximar dos artistas e contar a eles sobre a minha paixão. Este livro é a concretização de um sonho. Sempre achei muito distante a possibilidade de publicar um livro. Como um menino a colecionar figurinhas, fui montando meu acervo sem ver a hora de completar o álbum. Hoje, penso neste livro como o primeiro de muitos. Ao definir o elenco, busquei representantes dos principais grupos. O teatro coletivo é a marca desta época. Peregrinei de pessoa em pessoa na expectativa de documentar o momento que vivemos.

 

Agradeço a confiança de todos que me acompanharam neste sonho. Ao Hubert Alquéres, que plantou a primeira semente deste livro. Ao Paulo Klein, pelo caloroso incentivo, desde o dia em que viu a primeira versão. Ao Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (IA-Unesp), por conservar e disponibilizar parte do meu acervo. Aos administradores e funcionários dos locais que serviram de cenário para algumas destas fotos, como Biblioteca Lasar Segall, Centro Cultural São Paulo, Cit-Ecum, Funarte-SP, Instituto Cultural Capobianco, Pulsarte, Sesc-SP, SP Escola de Teatro, Teatro Escola Célia Helena, Teatro da Garagem e Teatro Faap. Aos maquiadores Gabriel Weng e Raphael Henry, pela generosa colaboração. E, finalmente, a todos que se envolveram na produção destas páginas – ou que aparecem nelas.

 

Vamos em frente.

 

Acesse a versão online do livro.

 

Bob Sousa é fotógrafo de teatro e mestrando em Artes Cênicas no Instituto de Artes da Unesp sob a orientação do Prof. Dr. Alexandre Mate.