Audiodescrição em debate

Publicado em: 17/07/2013

“Uma proposta de inclusão: audiodescrição” é o tema do bate-papo online desta quinta-feira (18), das 16h às 17h, aqui no portal da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, com a professora Lívia Motta.

Nesta conversa virtual, Lívia deverá responder a questões relacionadas à audiodescrição, tema do curso de Extensão Cultural que ministrará aqui na Escola, a partir de agosto, “Introdução à audiodescrição para teatro”, que já está em fase de entrevistas com os candidatos.

A audiodescrição é um recurso de acessibilidade comunicacional, que amplia o entendimento das pessoas com deficiência visual em diversos tipos de espetáculos, eventos e produtos audiovisuais, por meio de informação sonora, com foco nas artes cênicas. Assim, quem quiser se informar sobre o tema poderá tirar suas dúvidas neste encontro virtual com Lívia. Participe!

Sobre a convidada

Lívia Maria Villela de Mello Motta é professora doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC de São Paulo, com parte de seu doutoramento feito na Universidade de Birmingham, no Reino Unido. Trabalha como audiodescritora e professora de cursos de audiodescrição desde 2005, tendo assumido, em seguida, a coordenação dos recursos de acessibilidade comunicacional no Teatro Vivo, o primeiro teatro brasileiro com acessibilidade para pessoas com deficiência visual e, mais tarde, também para pessoas com deficiência auditiva e surdos.

Foi responsável pela exibição da primeira peça e da primeira ópera com audiodescrição no Brasil. Trabalhou como consultora do MEC/UNESCO e criou o site e blog: Ver Com Palavras, que tem como objetivos a divulgação da audiodescrição nos mais diversos contextos. Organizou, junto com Paulo Romeu Filho, o primeiro livro brasileiro sobre o tema: “Audiodescrição: transformando Imagens em Palavras”.

Serviço
Bate-Papo Online: Lívia Motta
Tema: “Uma proposta de inclusão: audiodescrição”
Quando: Quinta-feira (18), das 16h às 17h
Onde: www.spescoladeteatro.org.br/chat 

Texto: Esther Chaya Levenstein