‘As mulheres que não vestiam calças’

Publicado em: 16/12/2013

Palimpsesto é o termo utilizado para referir-se a um pergaminho que, após ser raspado e polido, era reaproveitado para a escrita de outros textos, prática muito comum na Idade Média. Foi por meio dos palimpsestos que textos de Aristóteles, por exemplo, foram recuperados, pois a escrita que preencheu o material antes muitas vezes permanece depois da segunda utilização.

 

A palavra batizou uma companhia teatral fundada em 2011: a Companhia d’Os Palimpsestos, que trabalha para que suas montagens nasçam como “frutos de aproximações sucessivas, movimentos reescritos sobre o movimento anterior, muitas vezes irrecuperável”, como eles mesmos observam.

 

O grupo se dedica atualmente ao seu novo espetáculo, “As mulheres que não vestiam calças”, que ficará em cartaz durante março e abril de 2014, no Espaço dos Satyros Um. O texto de Verusca Caroun será encenado sob direção de Michel Mauch. No elenco, estão Janaina D’Freitas, Marina Regis, Renata Alves, Renata de Souza e Bruna Potenza, que é aprendiz de Humor na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco.

 

A ideia do projeto é olhar para a situação da mulher pelo viés histórico. A trama é sustentada pelas tensões resultantes da presença da morte e da figura masculina, manifestadas por imposições culturais, religiosas, sociais, entre outras que aprisionam o gênero feminino. Enquanto a morte, ao se aproximar, traz angústia ao ser humano, a figura do homem se torna mais presente e forte quanto mais ausente for. 

 

Para a montagem, o coletivo deu grande importância à praticidade e facilidade de locomoção, porque a intenção é viajar com o espetáculo para qualquer lugar e deixar o espectador contribuir para a construção do trabalho que foi concebido na sala de ensaio. 

 

“Desde o início da companhia, buscamos investigar a prática do trabalho do ator. Queremos criar um local de discussão e prática do fazer teatral no seu contexto social, político e humano. E, como num palimpsesto, queremos unir todos os textos que fazem o espetáculo: o da maquiagem, do figurino, da encenação. E é nesse sentido que estamos construindo cenicamente o texto “As mulheres que não vestiam calças”, explica o diretor Michel.

 

“As mulheres que não vestiam calças” está cadastrado no site de financiamento colaborativo Catarse, buscando apoio para a montagem da peça. Você pode doar de R$20 até mais R$13000. Se interessou pela ideia? Acesse, aproveite para assistir ao vídeo de divulgação do projeto e participe dessa criação.

 

 

Texto: Felipe Del