Aprendizes da SP Escola de Teatro comentam a experiência de intercâmbio em Zurique

Publicado em: 19/04/2018

JONAS LÍRIO

Aprendizes da SP Escola de Teatro em intercâmbio na Suíça. Foto: Divulgação

No início de abril, quatro aprendizes da SP Escola de Teatro desembarcaram em Zurique, na Suíça, onde vão morar pelos próximos dois meses. Liliane Pereira (Direção), Silvia Maciel (Atuação), Olívia Rocha (Atuação) e Pedro Vinicius (Humor) foram selecionados para o Intercâmbio Brasil-Suíça, uma parceria da Instituição brasileira com a Universidade das Artes (Uniarts) de Zurique.

Os estudantes vão participar de aulas dos cursos de atuação e direção, na instituição suíça, até o fim de maio, quando devem apresentar projetos desenvolvidos em parceria com seus colegas da Uniarts. Lá, os brasileiros têm aulas em disciplinas como Tempo e Ritmo, Dança e Acrobacia.

Apesar do pouco tempo em solo europeu, as primeiras impressões já são positivas. “Sinto muitas semelhanças nos métodos e nas dinâmicas aplicadas, embora algumas delas sejam extremamente novas para mim”, conta o aprendiz Pedro Vinicius. “O que torna a experiência tão específica é o fato de que as pessoas que realizam conosco as aulas fazem tudo parecer extremamente diferente. Seus corpos, suas questões, suas inquietações e desejos com e pelo teatro.”

Assim como Vinicius, Liliane Pereira, aprendiz de Direção, se interessou pelo programa pois sentia vontade de descobrir novos processos criativos e mergulhar em outra cultura. “As peculiaridades culturais e as diferentes formas de aprender influenciam diretamente no nosso processo criativo e no desenvolvimento desse aprendizado do fazer artístico”, conta ela.

LEIA TAMBÉM:
>> SP Escola de Teatro divulga aprovados para o intercâmbio Brasil-Suíça
>> Projeto une estudantes brasileiros e suecos para produzir filme

Quando chegou a Zurique, Liliane e os colegas da SP Escola de Teatro participaram de um fórum de alunos em que apresentaram o contexto político e cultural de São Paulo – uma forma de dar início ao processo de integração com os estudantes suíços, mas que serviu também como reflexão própria.

Para a aprendiz de Atuação Silvia Maciel, a troca de experiência faz com que os aprendizes reflitam sobre os diferentes contextos e bagagens sociais dos dois países. “Conhecer outra cultura me faz pensar sobre o Brasil, sobre nossa realidade e sobre nosso teatro”, afirma Silvia.

Agora, mergulhados em processos artísticos, os aprendizes desenvolvem, juntamente com seus colegas suíços um projeto relacionando política e teatro. A esquete será apresentada no ​W.I.R, um festival organizado pelos próprios estudantes da universidade, com supervisão dos professores e coordenadores.

Quando voltarem ao Brasil, em maio, os estudantes devem desenvolver trabalhos junto aos cursos e ações da SP Escola de Teatro como forma de contrapartida do programa de intercâmbio. No segundo semestre, é a vez dos suíços chegarem a São Paulo: quatro estudantes da Zurique Uniarts participam dos cursos regulares da Escola por seis semanas.




Relacionadas:

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “É possível falar de masculinidade e feminilidade sem sermos binários?”, por Manfrin Manfrin

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “As cores da foto do menino no poste estão desaparecendo”, por Milena Siqueira

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Se algo de fato existe, ele é feito de carne e sangra”, por Clara Prado

SAIBA MAIS