Alessandra Negrini, Grace Passô e Fernanda D’Umbra abrem o ano na SP Escola de Teatro

Publicado em: 28/01/2016

As atrizes Alessandra Negrini, Grace Passô (também diretora e dramaturga) e Fernanda D’Umbra se encontram com os aprendizes da SP Escola de Teatro — Centro de Formação das Artes do Palco neste sábado (30), primeiro dia de aula de 2016. Tradicionalmente, a Escola abre o semestre com aulas magnas de personalidades ligadas ao teatro. Já estiveram com os aprendizes, por exemplo, nomes como Fernanda Montenegro, Gero Camilo e Laura Cardoso.
 
Como ocorre em todos os semestres, os aprendizes fazem criações baseadas em um Eixo, um Operador, um Material e um Artista-Pedagogo. Nesta primeira parte do ano, a escritora nigeriana Chimamanda Adichie será a Operadora, enquanto o Material é o disco “A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares. Ambos os trabalhos tocam no feminismo, tema que deve nortear a conversa de Alessandra, Grace e Fernanda. Durante o papo, no entanto, os aprendizes poderão fazer perguntas sobre qualquer tema relacionado a teatro e à carreira das participantes.
 
Grace Passô, Fernanda D’Umbra e Alessandra Negrini
 
Alessandra Negrini é atriz, mais reconhecida por seus trabalhos na televisão. Em 2007, protagonizou a novela “Paraíso Tropical”, quando deu vida às gêmeas Paula Viana e Taís Grimaldi. No teatro, esteve em cinco espetáculos, sendo o mais recente “A Propósito de Senhorita Júlia”, de 2013. Integrou o elenco de mais de dez filmes.
 
Expoente do teatro mineiro, Grace Passô é atriz, dramaturga e diretora teatral. Destacou-se pela fundação do grupo Espanca! e pelo seu trabalho no coletivo, como as peças “Marcha para Zenturo”, “Amores Surdos”, “Por Elise” e “Congresso Internacional do Medo”. Recentemente, Grace fez parcerias com outras companhias, como o Grupo3 de Teatro (“Contrações”) e a Companhia Brasileira de Teatro (“Krum”).
 
Figura marcante no teatro paulista e paulistano, Fernanda D’Umbra tem mais de 40 peças no currículo. Formada pela Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo, ela começou a carreira com “A Comédia dos Erros”, texto de William Shakespeare, com direção de Cacá Rosset. Por dez anos, integrou o grupo Cemitério de Automóveis, de Mário Bortolotto.
 
Volta às aulas
 
O bate-papo integra uma programação tradicional na SP Escola de Teatro, junto à recepção dos novos aprendizes. No início, os ingressantes recebem kits da Instituição e seguem para uma apresentação com o diretor executivo Ivam Cabral, o coordenador pedagógico Joaquim Gama e os coordenadores e formadores dos oito Cursos Regulares ministrados na Escola.
 

Em seguida, os aprendizes passam por dois rituais. O primeiro deles é a fabricação de pães. A atividade passa a ideia de que o teatro é uma atividade de grupo, onde cada um tem sua função para que exista o resultado, que é a peça. Depois, eles pintam azulejos que serão colocados nas paredes da Escola: uma forma de pertencer ao ambiente de ensino.




Relacionadas:

Notícias | 19/ 10/ 2021

Bruna Varga, artista egressa da SP, entrevista pesquisadora Michelle Zaltron em conversa sobre Stanislávski

SAIBA MAIS

Notícias | 19/ 10/ 2021

Rodolfo García Vázquez, coordenador da SP, é o único latino-americano em congresso internacional de teatro na Lituânia

SAIBA MAIS

Notícias | 18/ 10/ 2021

Atores e dramaturgos periféricos são destaque no festival de teatro online da Trupe Investigativa Arroto Cênico

SAIBA MAIS