A pedagogia no teatro de grupo em pauta no Colóquio “O que é a pedagogia do teatro?”

Publicado em: 26/08/2013

A SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, dá prosseguimento, neste mês, ao Colóquio “O que é a pedagogia do teatro?”, que tem entrada gratuita e é aberto ao público.

Com curadoria e mediação da Prof.ª Dr.ª Ingrid Dormien Koudela, livre-docente da ECA-USP, o Colóquio propõe a organização de temas, a serem debatidos por especialistas, com a proposta de ser um instrumento de trabalho da Pedagogia do Teatro. Os assuntos, que se estenderão até o final deste ano, serão debatidos em 13 mesas, que vão enfocar a Pedagogia do Teatro, na prática e na teoria. “Incorporamos, na proposta do Colóquio, temáticas que alcançaram projeção significativa no discurso internacional e que pertencem aos conhecimentos reunidos na área. Os encontros pretendem se caracterizar como disciplina de integração entre os polos teatro e pedagogia, bem como de disciplinas limítrofes”, observa Ingrid Koudela.

A oitava mesa está programada para a próxima terça-feira (27) e trará para o debate o ator e diretor Chico Pelúcio, do Centro Cultural Galpão Cine Horto, e Marcio Abreu, diretor artístico e fundador da Companhia Brasileira de Teatro. Ambos falarão sobre “A pedagogia no teatro de grupo I”.

Já no sábado (31 de agosto), será a vez da nona mesa, “A pedagogia no teatro de grupo II”, com o diretor Fernando Neves, do grupo Os Fofos Encenam, e o diretor artístico, integrante e fundador do grupo potiguar Clowns de Shakespeare, Fernando Yamamoto.

Sobre os participantes das Mesas
Chico Pelúcio
Ator, diretor de teatro, gestor cultural, diretor geral do Centro Cultural Galpão Cine Horto e ex-presidente da Fundação Clóvis Salgado — Palácio das Artes nos anos de 2005 e 2006. Formado em Administração de Empresas e Ciências Contábeis e com especialização em Cinema pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG), foi um dos fundadores do Grupo Galpão, em 1982, do qual faz parte até hoje. Ao longo de sua trajetória, a companhia participou de mais de 40 festivais internacionais e de cerca de 70 nacionais. Acumula, ainda, mais de cem prêmios brasileiros, com destaque para o Prêmio Shell (Rio, 1994), nas categorias melhor direção, melhor figurino e melhor iluminação, e a Ordem do Mérito Cultural, condecoração do Ministério da Cultura.

Fernando Neves

Integrante do grupo Os Fofos Encenam, fundado em 1992, no curso de Artes Cênicas da Unicamp, é diretor teatral, ator, coreógrafo e bailarino. Descendente de família circense, desenvolve, atualmente, pesquisa sobre a estética do circo-teatro. Como ator, trabalhou em mais de 20 espetáculos, sob a direção de Marcio Aurelio, Gabriel Villela, William Pereira, Francisco Medeiros, Maurice Vaneau, Carlos Alberto Soffredini e Marco Nanini, entre outros. Dentre os prêmios que já recebeu estão: Governador do Estado (1988), na categoria melhor ator, pelo espetáculo “Lampião e Maria Bonitinha no Reino do Divino”; Festivale, na categoria melhor diretor (“A Mulher do Trem”), e, em 2004, o Prêmio Qualidade Brasil de melhor ator em “Assombrações do Recife Velho”.

Fernando Yamamoto

Diretor artístico, integrante e fundador do grupo de teatro Clowns de Shakespeare, formado em 1993, em Natal (RN). Arquiteto de formação, tem especialização em Ensino do Teatro, ambos pela UFRN. O Clowns de Shakespeare vem desenvolvendo um trabalho de pesquisa teatral com foco na construção da presença cênica do ator, musicalidade da cena e do corpo no teatro popular, sempre numa perspectiva colaborativa. A companhia traz importantes conquistas que lhe conferem uma posição de referência na cena potiguar e nordestina: passou por mais de 80 cidades de 21 Estados e participou de alguns dos mais importantes festivais brasileiros. Com o espetáculo “Sua Incelença, Ricardo III”, o grupo foi convidado para participar do Festival Santiago a Mil, no Chile, em 2012, e do Festival Tchecov, em Moscou, em 2013.

Ingrid Dormien Koudela
Livre-docente e professora do Curso de Pós-Graduação em Artes Cênicas na ECA/USP. Docente do Curso de Licenciatura em Teatro da Uniso (Universidade de Sorocaba). Autora de “Jogos Teatrais” (Ed. Perspectiva, 2011), é tradutora e introdutora do sistema de Jogos Teatrais de Viola Spolin no Brasil. Pesquisadora de Bertolt Brecht, publicou os seguintes livros de sua autoria: “Brecht — Um Jogo de Aprendizagem” (2007); “Um Voo Brechtiano” (1992); “Texto e Jogo” (2010) e “Brecht na Pós-Modernidade” (1996), todos pela Perspectiva. Organizadora do volume “Heiner Müller — O Espanto no Teatro” (Perspectiva, 2003). Com o Prof. Dr. Jacó Guinsburg, publicou a tradução da obra de Georg Büchner, “Georg Büchner — Na Pena e na Cena” (Perspectiva, 2004), indicado ao Prêmio Jabuti, em 2005.

Marcio Abreu
Diretor artístico e fundador da Companhia Brasileira de Teatro. O ator, diretor e dramaturgo tem em sua formação acadêmica passagens pela Escola Internacional de Teatro da América Latina e Caribe (Eitalc) e pela Escola Internacional de Antropologia Teatral (Ista). No final dos anos 90, fundou o Grupo Resistência de Teatro, com o qual atuou em espetáculos e desenvolveu pesquisas e processos criativos em intercâmbio com artistas de várias partes do Brasil e também de outros países. Criada em 1999, em Curitiba, a Companhia Brasileira de Teatro iniciou suas atividades reunindo profissionais dispostos a trabalhar na criação de espetáculos, processos e a pensar o teatro. Entre seus espetáculos, estão: “Apenas o Fim do Mundo” (2005/2008), “Vida” (2010/2012), “Oxigênio” (2010/2012), “Esta Criança” (2012), entre outros.

Serviço
Colóquio: “O Que é a Pedagogia do Teatro?”

Mesa 8: “A pedagogia no teatro de grupo I”
Com Chico Pelúcio e Marcio Abreu
Quando: Terça-feira (27), das 19h às 21h

Mesa 9: “A pedagogia no teatro de grupo II”
Com Fernando Neves e Fernando Yamamoto
Quando: Sábado (31), das 12h30 às 14h30

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210 – Consolação
Tel. (11) 3775-8600
Grátis
 

Texto: Esther Chaya Levenstein