EN | ES

Tarsila ou A Vacina Antropofágica

Publicado em: 07/10/2022

“Parece mentira, mas foi no Brasil que tomei contato com a arte moderna”
Tarsila do Amaral

 

Considerada uma das principais artistas modernistas latino-americanas, Tarsila do Amaral, figura central da narrativa, propõe com muito humor e a beleza das imagens de sua autoria que inspiraram a dramaturgia, um passeio crítico pelo Modernismo Brasileiro, movimento gênese de uma nova ideia de arte, idiossincrática, caldeirão em ebulição do encontro entre diferentes culturas em um novo mundo, atualizando repertórios e linguagens neste espetáculo solo de Viviane Dias, atriz e fundadora da Estelar de Teatro, que viaja para a França e Portugal na sequência da temporada de São Paulo a convite do Le T.O/Le théâtre de l’opprimé e do Espaço BOTA.

Com 12 textos encenados, entre eles, Matriarcado-América (A Sociedade das Eróticas em Menopausa e A Máquina dos Sonhos); Matriarcado de Pindorama; Frida Kahlo-Calor e Frio, esse trabalho lança um olhar para o Brasil de ontem e de hoje na busca de saltar os entroncamentos da história, num tempo em que novas imagens se fazem necessárias.

Aqui o passado cultural mítico, nativo é revalorizado e serve de inspiração para um imaginário exuberante, mágico, poético, libertário, bem como a voz feminista, a valorização de mulheres criadoras do Brasil, não só no tema mas na linguagem porosa e poética, que abre espaço para a fecunda parceria com a música original e as artes visuais (vídeo-cenários com as obras da pintora) para um diálogo inquieto com um dos momentos mais fecundos da vida cultural brasileira e o tempo presente.

“A peça tem um viés profundamente feminista, propondo novos ritos de inclusão e novos imaginários, “por que quando a voz das mulheres entra no mundo, todos os mapas se alteram”, numa contribuição do tempo que nos é dado viver ao passeio de recriação de certa história cultural brasileira contemporânea”, diz Viviane.

O texto e a encenação se apropriam dos mais de 16 anos de experiência da Estelar de Teatro pesquisando uma cena de voz feminina e antropofágica, no território de integração das artes, especialmente as artes visuais, com forte presença da poesia, das imagens, das novas tecnologias, da música e da festa.

No espaço pra lá de acolhedor da companhia realizamos este ensaio exclusivo para a coluna.

 

Bob Sousa é fotógrafo, pesquisador e mestre em artes pela Unesp. É crítico de artes visuais/APCA e Prêmio Arcanjo de Cultura

 

Ficha Técnica:

Texto – Viviane Dias

Direção – Ismar Rachmann e Viviane Dias

Vídeo-Cenários: Vic Von Poser

Elenco – Viviane Dias

Elenco projetado em Imagens – Anderson Negreiro e Ismar Rachmann

Música Original: Gabriel Moreira

Uma realização da Estelar de Teatro

Serviço:

Teatro Estelar
Rua Treze de Maio, 120, Teatro Estelar, Bela Vista
Quinta a segunda, de 25-09 a 16-10.

ESTREIA 25-09 às 18h 30! Neste dia, haverá debate. (horário diferente!)

Horários temporada: quinta a sábado 21h.

Domingo e segunda: 20h30.

Preço: R$50,00 e R$ 25,00

Tel: 11 998519094

Duração: 70 minutos

28 lugares

Indicação de faixa etária: 12 anos

Entrada para deficientes, sem estacionamento. Ar condicionado.