Propriedades Condenadas

Publicado em: 18/05/2021

 

“Estamos todos condenados à prisão solitária dentro de nossa própria pele, por toda a vida.”

Tennessee Williams

   

Ao fotografar esse belíssimo espetáculo, idealizado por Camila dos Anjos e dirigido por Marco Antonio Pâmio, me veio à mente uma das célebres frases do autor Tennessee Williams, citada em epígrafe acima, com o poder da fotografia, que também nos condena a certa prisão solitária desde o segundo fatal do clique à eternidade da imagem congelada.

A peça, fruto de um trabalho de investigação sobre a obra do autor, que Camila dos Anjos realizou nos últimos anos, é composta pelos textos curtos “Esta propriedade está condenada” e “Por que você fuma tanto, Lily?”, encenados na sequência pela atriz e por Ricardo Gelli, com direção precisa de Marco Antônio Pâmio.

A iluminação de Caetano Vilela, bem como o cenário de Cesar Rezende e o figurino de Kleber Montanheiro, ajudam a prender o espectador ao universo imbricado entre ilusão e realidade, marcantes na obra do autor.

Na afirmação de Susan Sontag, que preconiza a ideia de que tudo existe para terminar numa fotografia, essas imagens nos condenam, a partir da inserção do olhar que investiga cada uma das cenas congeladas, a reverenciar a imortalidade do trabalho desses grandes artistas do nosso teatro.

Duração: 60 minutos

Recomendação: 16 anos

Temporada on line gratuita

Dias 21, 22, 23, 28, 29 e 30 de maio às 20h.

Transmissão pelo Sympla.

Bob Sousa é fotógrafo, pesquisador e mestre em artes pela Unesp. É crítico de artes visuais/APCA e Prêmio Arcanjo de Cultura


 

O site da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco está sob licença Creative Commons. A cópia e a reprodução de seu conteúdo são autorizadas para uso não-comercial, desde que citado o devido crédito ao site, aos autores e fotógrafos. Não estão incluídas nessa licença obras de terceiros.

Para reprodução com outros fins, entre em contato com a Escola.