Os desafios de 2021 ou saída do inferno à vista

Publicado em: 08/01/2021

Por Miguel Arcanjo Prado*

O ano de 2021 chegou com um desejo mundial de esperança e saúde. Enquanto ainda não temos a vacina, é preciso continuarmos os cuidados, como o uso de máscara e o distanciamento social, para preservarmos o maior número possível de vidas.

Neste sentido, o Teatro Digital surgiu como importante aliado da expressão e comunicação artística segura neste duro cenário atravessado pela humanidade.

Após fazer uma intensa programação nos três últimos meses de 2020, na qual estiveram alguns dos maiores nomes do teatro brasileiro, como Sergio Mamberti, João Acaiabe, Lázaro Ramos, Ivam Cabral e Maitê Proneça, a SP Escola de Teatro Digital dá início à sua programação 2021.

A primeira peça do novo ano é O Inferno É Um Espelho da Borda Laranja, uma criação do artista Wander B., que estuda Direção na SP Escola de Teatro. Na montagem, ele celebra 20 anos de carreira.

O texto propõe um mergulho em uma viagem sensorial na madrugada insone em contato do que seria o inferno, em uma visão diferente do que propôs o filósofo francês Jean-Paul Sartre (1905-1980).

Além de estar em cena no solo, o artista assina não só a dramaturgia — que contou com dramaturgismo de Elenice Zerneri — como também a direção e a iluminação. O projeto ainda tem teaser e cartaz pela artista e cineasta Jezz Chimera.

São apenas seis apresentações, sempre às quartas e quintas, às 20h, de 13 a 28 de janeiro de 2021, com ingressos na Sympla a preço popular de R$ 10 (mais R$ 2,50 de taxa). O total da arrecadação é transferido para o artista.

Sobre sua obra, Wander B. nos explica:

“Quando todos nós, artistas das artes do palco, tivemos os nossos trabalhos abruptamente interrompidos pela pandemia, confesso que fui um dos primeiros a questionar e duvidar da possibilidade de fazermos teatro pela internet: me causou um estranhamento imenso a ideia de teatro-online. Não demorou muito e eu entendi que precisava voltar às premissas básicas do teatro que eu acredito, o teatro em que o desejo de viver é a tônica, o teatro que luta por amor e liberdade, o Teatro Essencial”, fala.

“Existe uma frase da Denise Stoklos que vem me acompanhando nesse momento: ‘teatro eu faço para amor’ — e para amor, eu digo em diálogo com a cultura popular: não existe fronteiras. É pensando nisso que eu faço da minha cama um palco”, conta.

“No ano passado fiz uma pré-temporada totalmente independente; essa peça digital já chegou em 17 estados espalhados pelas 5 regiões do nosso país, além de ser recebida também na casa de brasileiros que moram na França, na Inglaterra e nos EUA. Para um artista que se fez cortando o estradão de ônibus para levar sua arte Brasil adentro, isso não é pouca coisa”, celebra.

Não mesmo.

Que todos tenhamos um excelente 2021 de amor, saúde, paz e muito teatro! E que os encontros olho no olho voltem a ser algo possível!

Retire seu ingresso para O Inferno É Um Espelho da Borda Laranja

*Miguel Arcanjo Prado é Coordenador de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro. Jornalista formado pela UFMG, é especialista em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP e mestre em Artes pela UNESP. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Dirige o Blog do Arcanjo e Prêmio Arcanjo de Cultura. Escreve toda sexta. @miguel.arcanjo