A Bicicleta de Papel

Publicado em: 13/07/2021

A verdadeira amizade é aquela que nos permite falar, ao amigo, de todos os seus defeitos e de todas as nossas qualidades.

Millôr Fernandes

 

Assim como a obra teatral, composta de símbolos a serem decodificados, a imagem fotográfica é um produto que não se encerra em si. A imagem fotográfica encontra-se na soma dos pensamentos do fotógrafo, na tomada da imagem das personagens em constante dialogo com a encenação, na construção do diretor do espetáculo e da interpretação do receptor. A partir deste pensamento, a apresentação desta série de imagens do belíssimo espetáculo “A Bicicleta de Papel”, de Luccas Papp, nos propõe um mergulho em cada uma das fotografias para tentarmos decodificar o humano e seus abismos, suas perdas e sua capacidade de reconstrução a partir do olhar do outro.

O espetáculo, que trata sobre o poder da amizade e aponta uma reflexão sobre o momento atual com a pandemia do coronavírus, é encenado por Luccas Papp e Leonardo Miggiorin, e a direção, que prioriza a palavra sobre todos os outros elementos cênicos, é de Ricardo Grasson, que também assina a cenografia ao lado do autor. A iluminação é de Gabriele Souza e os figurinos são de Cássio Scapin. A peça também traz as participações de Elias Andreato, Ando Camargo, Rita Batata e Livia Marques, que emprestam as vozes em off. Heitor Garcia faz a assistência de direção e a produção executiva.

É sobre essa realidade interior, esse pensamento embutido na imagem – nas cenas apresentadas ou nas fotografias – que o espetáculo pode apresentar uma pista para decifrarmos as pegadas de um tempo desse momento congelado na imagem fotográfica. Apesar de certo consenso de que a fotografia é um espelho da realidade, ela é sempre uma representação elaborada cultural/estética/tecnicamente, e não pode ser compreendida isoladamente ou desvinculada do processo de construção da representação.

É preciso viver a emoção da cada cena e suspirar junto com os atores. Pensar a partir do outro.

Vamos ao teatro! Com todo o cuidado possível!

Bob Sousa é fotógrafo, pesquisador e mestre em artes pela Unesp. É crítico de artes visuais/APCA e Prêmio Arcanjo de Cultura