Programação de 2020

Publicado em: 10/01/2020

A SP Escola de Teatro retoma suas atividades em 6 de janeiro de 2020, ano que em celebraremos uma década da primeira turma de estudantes dos cursos regulares. Será um ano muito especial. Também já estamos preparando a programação das nossas residências artísticas, com espetáculos e eventos em temporada nas salas da unidade Roosevelt. Confira as primeiras atrações do próximo ano:

Decadência dos Seres não abstratos
De 17 /1 a 17/2. Sex., às 21h; sáb. e dom., às 19h; seg., às 21h.
Sala Alberto Guzik, unidade Roosevelt.

A peça questiona os limites entre o abstrato e o real. É um exercício que cruza o teatro com as artes plásticas, construído a partir de dois textos da obra “O Esteticismo Niilista do Número Imaginário”, do dramaturgo Marcio Aquiles, com direção de Luísa Pinto e Higor Lemo. Numa sala, um debate entre a Arte, a Matemática, a Filosofia, o Espaço e o Tempo, que surgem aqui como personagens em luta com os humanos pela autonomia e existência de cada um deles. Em paralelo, uma artista plástica em crise criativa levanta questões sobre a angústia da existência.

SP Transvisão
De 27 a 31/1. Unidade Roosevelt. 
Na semana da visibilidade trans, a SP Escola de Teatro recebe palestras, bate-papo e programação artística com o tema “Existir e reexistir: A arte como potência e resistência”.

Entrega do Prêmio Solano Trindade
20/2
O Prêmio Solano Trindade, promovido pela SP Escola de Teatro, em comemoração aos 10 anos da escola, é destinado a jovens dramaturgos negros, a fim de traçar um panorama da nova produção dramatúrgica no Brasil, o concurso vai selecionar para publicação três textos de estudantes de escolas de teatro de todo o país, que vão ser publicados em livros, em formato impresso e digital.

Mostra de Teatro de Objetos: Poéticas do Feminino
De 6 a 23/3. Sex., às 21h; sáb. e dom., às 19h; seg., às 21h.
Sala Alberto Guzik, unidade Roosevelt.  

A Mostra de Teatro de Objetos:Poéticas do Feminino, apresenta 2 espetáculos do circuito cultural de São Paulo (Mulheres e Museu das Pequenas Coisas) e 2 work in progress (Do Jeito Certo- Um ato sobre o amor e A Pequena Costureira) e duas atividades de reflexão acerca desta linguagem pouco conhecida do grande público. Além da linguagem os espetáculos têm em comum dialogar sobre o feminino na contemporaneidade.