EN | ES

 Em Cartaz / AGENDA

FILTRAR POR:
  • Todos
  • Teatro

Teatro

Cachorro Enterrado Vivo

Foto: Divulgação

Vencedor do prêmio APCA 2016 na categoria Melhor Ator, o espetáculo é o primeiro solo do mineiro Leonardo Fernandes. Em cena, ele interpreta um cão e um homem que dividem uma vida e passam também a dividir a mesma dor.

“Cachorro Enterrado Vivo” explora a diferença entre instinto e razão, crueza e delicadeza. São três solilóquios em que diferentes personagens fazem parte da mesma situação: um vigia de um terreno aceita a proposta de um homem para fazer a cova e enterrar um cachorro. O homem, então, volta e traz consigo o animal vivo.

Ficha técnica:
Texto: Daniela Pereira de Carvalho | Direção: Marcelo do Vale | Atuação: Leonardo Fernandes | Preparação corporal: Eliatrice Gischewski | Cenário e figurino: Cícero Miranda | Trilha sonora original: Márcio Monteiro | Criação de luz: Wladimir Medeiros | Técnico de luz: Daniel Hazan | Projeto gráfico: Lampejo | Fotografia: Lia Soares e Suzana Latini | Cenotécnico: Ronaldo de Deu | Produção executiva: Eliatrice Gischewski | Produção: Leonardo Fernandes

circle

Onde: SP Escola de Teatro, sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação). Não possui estacionamento.

Quando: dom. e seg., às 20h. De 1º/10 a 30/10.

Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada) – à venda na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação.

Duração: 50 minutos

Quantidade de lugares: 60 lugares

Classificação: 12 anos

O Corpo da Mulher como Campo de Batalha

Foto: Cassandra Mello/Divulgação

A montagem, com texto do romeno naturalizado francês Matéi Visniec, narra a relação de uma mulher vítima com uma terapeuta norte-americana. Elas se encontram em um hospital, no final da Guerra da Bósnia, em 1994, e tentam dar força uma a outra para seguir suas trajetórias.

“O Corpo da Mulher como Campo de Batalha” explora os limites entre o documental e a poesia e discute a violência contra a mulher, o estupro, extremismo e aborto. A versão paulista da peça (ela já foi montada no Rio de Janeiro por Fernando Philbert) tem direção de Malú Bazán e une no elenco as atrizes Camila Turim e Patricia Pichamone.

Matéi Visniec é considerado por críticos europeus um seguidor da obra de Eugène Ionesco (1909-1994), pela força do teatro do absurdo presente em seus textos.

Ficha técnica:
Texto: Matéi Visniec | Direção: Malú Bazán | Elenco: Camila Turim e Patricia Pichamone | Cenário: Anne Cerrutti | Figurino: Anne Cerrutti e Cibele Gardin | Audiovisual e fotos: Cassandra Mello | Desenho de luz: Miló Martins | Operação de luz: Fernanda Guedella | Produção executiva: Larissa Barbosa | Coordenação de produção: Camila Turim | Produção: CAO – Como Amar o Outro

circle

Onde: SP Escola de Teatro, sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação). Não possui estacionamento.

Quando: sáb., às 21h; dom., às 19h; seg., às 20h. De 1º/10 a 30/10.

Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada) – à venda na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação.

Duração: 75 minutos

Quantidade de lugares: 60 lugares

Classificação: 14 anos



Nossa programação também está no SP Estado da Cultura, ferramenta disponibilizada pelo Governo do Estado de São Paulo com os eventos de todos os equipamentos culturais do estado.

Eventos passados Seta Seta

O site da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco está sob licença Creative Commons. A cópia e a reprodução de seu conteúdo são autorizadas para uso não-comercial, desde que citado o devido crédito ao site, aos autores e fotógrafos. Não estão incluídas nessa licença obras de terceiros.

Para reprodução com outros fins, entre em contato com a Escola.

Assisdesign