EN | ES

Quarenta e Duas

Publicado em: 24/04/2018

Cena do espetáculo “Quarenta e Duas”. Foto: Cacá Bernardes/Divulgação

Espetáculo da Cia Artehúmus e do Núcleo Tumulto, “Quarenta e Duas” tem texto de Camila Damasceno e direção conjunta de Daniel Ortega e Emerson Rossini. O enredo aborda, de forma onírica, desde temas como a opressão do consumo à busca permanente do gozo como sinônimo de felicidade.

A encenação se dá a partir da perspectiva dos últimos momentos de vida de Robson, um adolescente compulsivo que morre após se masturbar 42 vezes. O mundo particular desse garoto é apresentado com suas idiossincrasias e seus desejos tão comuns quanto absurdos, convidando o público a adentrar nos conflitos de uma geração bombardeada por links, likes e imagens editadas.

Em cena, Cibele Bissoli, Cristiano Sales e Daniel Ortega alternam-se nos vários papeis. Em ritmos de zapping, flashes de memória e imagens da vida de Robson (vivido por Sales e Ortega) vão expondo questões contemporâneas pelo viés desse adolescente. A relação com o pai ausente, as expectativas idealizadas da mãe, a relação com os padrões sociais e religiosos, o peso de ter que se encaixar em regras, os impulsos primários dos desejos e a solidão nas relações virtuais são como quadros que se alternam no subconsciente de Robson, transbordando tudo que lhe oprime, que lhe consome.

O exagero consumista – não só material, mas também humano e psicológico – aparece com dimensões também extremas, em “Quarenta e Duas”: “a metáfora está nas mutilações presentes na encenação, apontando o quanto nos automutilamos diante do mundo, pois o autoconsumo é uma ferramenta para sobrevivermos”, argumenta Rossini.

Para trazer ao palco as reflexões levantadas no texto, os diretores fazem uso da linguagem da performatividade ao abordar o universo onírico que conduz a trajetória da personagem. A encenação não se propõe a responder as questões, mas ressaltar a relevância dos temas no contexto atual, quando a agilidade da informação e o descarte humano ocupam lugar de destaque no frenesi urbano. A distorção do tempo e a sobreposição de símbolos permitem que o espectador amplie sua percepção diante da cena e da poesia nesses momentos finais de Robson.

Ficha técnica:
Dramaturgia: Camila Damasceno | Direção: Daniel Ortega e Emerson Rossini |Elenco: Cibele Bissoli, Cristiano Sales e Daniel Ortega | Criação e operação de luz: Thatiana Moraes | Sonoplastia: Vinícius Árabe Penna | Figurinos: Álvaro Franco | Cenário e adereços: Álvaro Franco e Daniel Ortega | Identidade visual: Gustavo Oliveira | Fotografia: Cacá Bernardes | Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação | Produção: Cia Artehúmus | Realização: Cia Artehúmus e Núcleo Tumulto

circle

Onde: SP Escola de Teatro, sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação)

Quando: De 23 de março e 23 de abril. Sex., sáb., e seg., às 21h; dom., às 19h

Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) – à venda na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação

Duração: 70 minutos

Quantidade de lugares: 50 lugares

Classificação: 14 anos




O site da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco está sob licença Creative Commons. A cópia e a reprodução de seu conteúdo são autorizadas para uso não-comercial, desde que citado o devido crédito ao site, aos autores e fotógrafos. Não estão incluídas nessa licença obras de terceiros.

Para reprodução com outros fins, entre em contato com a Escola.

Assisdesign