EN | ES

Vítima de Covid-19, morre João Acaiabe, grande ator pioneiro no teatro

Publicado em: 01/04/2021

João Acaiabe. Imagem: João Miguel Júnior/Globo

Morreu João Acaiabe, grande artista pioneiro do teatro, cinema e televisão no Brasil, aos 76 anos, vítima de Covid-19. Ele havia sido internado por conta do novo coronavírus e precisou ser intubado, mas, infelizmente, sofreu uma parada cardiorrespiratória no fim da noite desta quarta (31) e não resistiu.

Em outubro de 2020, ele foi um dos artistas especialmente convidados para lançar a programação da SP Escola de Teatro Digital, ao lado de nomes como Sergio Mamberti, Maitê Proença e Ivam Cabral. Na época, atuou direto de sua casa, adaptando-se ao teatro digital. Também fez inúmeras lives como contador de histórias na quarentena, sempre conquistando público farto em seu Instagram.

Nascido em Espírito Santo do Pinhal, no interior paulista, em 14 de maio de 1944, era um dos artistas mais queridos e respeitados da cena artística paulistana. João Acaiabe conquistou diferentes gerações de crianças na TV com os personagens Tio Barnabé, do Sítio do Pica-pau Amarelo, na Globo entre 2001 e 2016, e Tio Chico, em Chiquititas, no SBT entre 2013 e 2015. Entre 1978 e 1983, apresentou o programa infantil Bambalalão, grande sucesso na TV Cultura.

O artista foi um dos primeiros atores negros alunos da Escola de Arte Dramática (EAD) da USP, tradicional escola de formação de atores do país. A estreia em novelas foi em A Viagem, na TV Tupi, em 1975. Outro papel marcante foi Benedito, na série Tenda dos Milagres, inspirada na obra de Jorge Amado, na Globo, em 1985. Ele voltaria à obra do escritor baiano em 1998, interpretando o Sampaio na minissérie Dona Flor e Seus Dois Maridos, na qual fez par com Suely Franco, no papel de sua mulher, Norma, a melhor amiga de Dona Flor (Giulia Gam).

Ainda na Globo, fez novelas como Vila Madalena, em 1999, Eterna Magia, em 2007, e Segundo Sol, em 2018, interpretando o pai de santo Didico. Seu último trabalho na TV foi na série Se Eu Fechar os Olhos Agora, também na Globo, em 2019, na qual deu vida ao personagem Sinval.

No teatro, atuou em várias dezenas de espetáculos, desde Pedro Pedreiro, em 1967, passando por Cândido, em 1970, Lulu, em 1974, e Anjo Negro, em 1990. No cinema, fez mais de 20 filmes, entre eles o clássico Eles Não Usam Black-Tie, de Leon Hirszman, em 1981.

Em 1986, ganhou o Kikito do Festival de Cinema de Gramado de Melhor Ator com o curta O Dia em Que Dorival Encarou o Guarda. Em 2016, foi homenageado como Artista do Ano (I Prêmio AATA de Teatro Amador). Em 2020, foi indicado ao Prêmio Arcanjo por sua brilhante trajetória, o qual venceu. Também em 2020, foi celebrado pelo Os Crespos Cia. de Teatro por seus 50 anos de carreira em uma live especial.

 




Relacionadas:

Notícias | 24/ 05/ 2022

Série Teatro de Grupo em São Paulo: conheça o Grupo Pândega de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 24/ 05/ 2022

Estudantes, colaboradores e convidados participam de debate após exibição do curta Corre Menino, sobre necropolítica

SAIBA MAIS

Notícias | 24/ 05/ 2022

Nova edição do projeto Tendas da Cidadania, direcionado à crianças imigrantes da região do Brás, acontece na SP no sábado (28)

SAIBA MAIS