EN | ES

Um filme, duas trilhas

Publicado em: 13/07/2010

Dirigido pelo russo Dziga Vertov, o documentário mudo “O Homem com uma Câmera”, gravado em película no ano de 1929, virou tema de um trabalho de sonorização para os aprendizes do Curso de Sonoplastia da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco.

Segundo o formador do Curso, Martin Eikmeier, Dziga Vertov foi um dos cineastas que mais influenciou o documentário no cinema, pois acreditava na capacidade da câmera e da montagem em reorganizar o olhar para o mundo, revelando aspectos que a contemplação cotidiana jamais poderia alcançar.

No documentário, que relata um dia comum na capital de Moscou, o cineasta contraria um dos protocolos mais definitivos do cinema narrativo e comercial: a invisibilidade do aparato. E, em escolhas deliberadas, desnuda a potência de recursos cinematográficos como a montagem, a câmera lenta e a trucagem (ilusões de perspectiva com a câmera). 

Apesar de contar com uma versão oficial para sua trilha sonora, composta algumas décadas depois, “O Homem com uma Câmera” foi escolhido como tema do projeto por ser atemporal. “A atualidade do filme contribui para uma tomada de consciência, uma vez que mostra, por ângulos e ritmos, uma forma de se organizar em sociedade e deixa arestas que sugerem a necessidade de superar algumas contradições. Ele é uma transformação em processo ainda não realizada, nos provocando com as mesmas inquietações acerca do mundo contemporâneo”, afirma o formador Martin Eikmeier.

A proposta de criação de trilha sonora para o documentário surgiu com o intuito de desenvolver e colocar em prática teorias e técnicas vistas em sala de aula. “Pretendemos ampliar a formação com essa ideia. Conceituar, estudar a estética e a história, escolher materiais sonoros, editar e executar são exercícios essenciais para o sonoplasta. É preciso adquirir experiência”, afirma Raul Teixeira, Coordenador do Curso de Sonoplastia.

Para executar o exercício, Thiago Rocha, aprendiz de Sonoplastia, músico e compositor, passa as tardes buscando ideias junto ao piano da SP Escola. “Trabalhar baseado na dramaturgia e estudar o contexto do filme é estimulante. Gosto das ideias do diretor. Nós vamos mesclar música gravada e ao vivo no trecho selecionado para meu grupo”, afirma.

Para Martin Eikmeier, há sempre aprendizado no processo de criação e é na prática diária que se chega a um resultado sonoro bem acabado. “Para nós, sonoplastas, ao contrário do que se pode imaginar, não é apenas a qualidade do som que está em jogo, mas também quais as histórias que queremos contar.”

A trilha sonora para o filme “O Homem com uma Câmera”, feita por seis grupos do Curso de Sonoplastia, será apresentada no dia 17 de julho, com o filme exibido em sua totalidade, em duas sessões, 14h30 e 16h30, na SP Escola de Teatro.

As apresentações amadoras, porém apaixonadas, são abertas ao público na SP Escola de Teatro. Um bom momento para conhecer futuros sonoplastas e, sobretudo, uma chance de conhecer melhor o Curso Regular de Sonoplastia, seus formadores e seu perfil.