Tradução de textos teatrais

Publicado em: 29/05/2015

Gostaria de enaltecer uma das contrapartidas da Bolsa-Oportunidade do Programa Kairós, da SP Escola: a TRADUÇÃO DE TEXTOS TEATRAIS, iniciativa que teve início neste semestre, formada por aprendizes que dominam alguma língua estrangeira, sobretudo o inglês. A sugestão partiu do nosso coordenador pedagógico, Joaquim Gama, e ao ouvi-la senti imediatamente que não podíamos deixar passar essa oportunidade.
 
Sabemos do panorama rarefeito de publicações de PEÇAS CONTEMPORÂNEAS, o que poderia prejudicar qualquer bom curso de DRAMATURGIA nos dias de hoje. Impossível ensinar alguma coisa sem levar em conta o fator CONTEMPORÂNEO de criações HÍBRIDAS, DE RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL ENTRE FORMA E CONTEÚDO, de NARRATIVAS TENSIONADAS PELAS INVENÇÕES FORMAIS.
 
Então, o pequeno grupo por mim orientado (aproveito aqui para elogiar vocês e dizer que está sendo muito bom, ANDREI REINA, NINA WEBSTER, LUCAS VANATT, DANIEL LUZ e JOÃO MENDES!), desenvolve-se a partir do desafio de traduzir textos inéditos, por enquanto BRITÂNICOS, ESCOCESES, MEXICANOS e SUECOS…
 
Importante ressaltar que esses textos chegaram às minhas mãos, adquiridos em viagens ou presentes dos artistas que nos visitam. Nunca foram publicados em português ou montados no Brasil.
 
Tornar acessíveis novas leituras, com foco na SALA DE AULA, é um dos grandes ganhos desse projeto. Temos consciência do papel restrito dos materiais traduzidos, ao mesmo tempo que consciência também da grande importância que têm ao se oferecerem ao estudo de jovens dramaturgos brasileiros. 
 
Lembro de uma importante iniciativa do INSTITUTO GOETHE, ao disponibilizar textos de GRANDES AUTORES ALEMÃES CONTEMPORÂNEOS, como Xavier Kroetz ou Botho Strauss, por meio de traduções com ênfase na divulgação da cultura e artes germânicas. 
 
Sinto que estamos trilhando esse caminho, focando na divulgação de peças teatrais de ponta, ainda não conhecidas no Brasil.
 
A cada encontro, discutimos os melhores procedimentos para a continuidade de cada tradução, criamos dinâmicas para chegarmos a uma finalização de trabalho, discutimos dificuldades relacionadas sobretudo às culturas LOCAIS, expressões idiomáticas, limites de transposição CULTURAL, prazos, próximas etapas, TROCAS de materiais entre os aprendizes etc. 
 
Nossos autores e textos escolhidos: Caryl Churchill (“Love and information”), Niklas Radstrom (“Monsters”), Linda MacLean (“Strangers, babies”), David Hare (“My zinc bed”), Douglas Maxwell (“The miracle man”) e Alberto Villarreal (“Desaire de elevadores”). Torço para que logo sejam mais e mais.