Sérgio Ferrara fala sobre direção e curadoria no bate-papo online

Publicado em: 25/03/2014

O diretor teatral Sérgio Ferrara é o convidado do bate-papo online que a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promove nesta quinta-feira (27), das 16h às 17h, aqui no portal. Na conversa virtual, ele fala sobre direção e curadoria.

 

Participar é muito simples: basta acessar www.spescoladeteatro.org.br/chat na data e horário marcados.

 

 

Sobre o participante

Nascido em Nanuque (MG), concluiu seus estudos em São Paulo, onde começou a se dedicar ao teatro, trabalhou com Antunes Filho no Centro de Pesquisas Teatral (CPT). Depois que deixou o CPT, dirigiu espetáculos como “Antígona”, de Sófocles (1997), com Paulo Autran, “O Senhor Paul”, de Tankred Dorst (1998), pelo qual recebeu cinco indicações para o Prêmio Mambenbe e uma indicação ao Prêmio Shell. 

 

Em 1999, desenvolveu um projeto no Teatro Arena de São Paulo denominado “Quem tem medo de Plinio Marcos e Nelson Rodrigues”. Desse projeto surgiu uma convivência com o dramaturgo Plinio Marcos para a montagem de “Barrela”, em 1999. Em 2000, recebeu o Prêmio APCA de melhor diretor pelo espetáculo “Pobre Super-Homem”, de Brad Fraser. Após a morte de Plinio Marcos, Ferrara continuou a pesquisa de sua obra, dirigindo “Abajur Lilás”.

 

Em 2001, dirigiu Maria Alice Vergueiro em “Mãe Coragem e seus filhos”, de Brecht. No ano seguinte, assinou a direção de “Tarsila”, de Maria Adelaide Amaral. Com Raul Cortez, realizou a peça “Fica frio”, de Mário Bortolotto, em 2004, quando também dirigiu “O mercador de Veneza”, de Shakespeare. Em 2005, realizou o espetáculo “A Última Viagem de Borges”, peça indicada ao Prêmio Shell de melhor cenografia. 

 

Foi diretor convidado da EAD (Escola de Arte Dramática) da USP, onde dirigiu a peça “Vereda da salvação”, de Jorge Andrade (2001). Encenou, em 2006, “O inimigo do povo”, de Henrik Ibsen. 

 

Juntamente com Os Satyros, desenvolveu um projeto sobre a Praça Roosevelt, dirigindo o texto “A noite do aquário”, de Sérgio Roveri. Convidado pelo diretor Antunes Filho, em 2007, dirigiu seu primeiro trabalho para a televisão. Em parceria com o Sesc TV, a TV Cultura abre espaço para os novos teleteatros, para o qual dirige “O encontro das águas”, de Sérgio Roveri.

 

Em 2008 dirigiu o espetáculo “Imperador e Galileu”, de Ibsen, com o ator Caco Ciocler, e, em 2009, retornou ao dramaturgo Sérgio Roveri para encenar “Ensaio para um Deus inesperado”. 

 

No segundo semestre de 2009, Ferrara foi convidado pelo Ministério da Cultura e pelo FESTLIP (Festival de Teatro da Língua Portuguesa) para dar aulas de teatro em todos os países africanos de língua portuguesa (Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Thomé e Príncipe e Moçambique) e no Timor Leste, na Ásia. 

 

Retornou em 2010 e foi convidado para dirigir “Pororoca”, de Zen Salles, num projeto do Sesi/SP. Também atuou como professor de corpo e interpretação do curso de Teatro da PUC/SP e, atualmente, é professor da Escola Wolf Maya de Atores, trabalhando na formação dos alunos na direção de montagem.

 

Serviço

Bate-papo online com Sérgio Ferrara

Tema: “Direção e curadoria”

Quando: Quinta-feira (27/3), das 16h às 17h

Onde: www.spescoladeteatro.org.br/chat