Prepare-se para a Chegada do Hiper Instrumento

Publicado em: 27/06/2011

Percussão, cordas, sopros, bombas de ar, motor elétrico, sucata e circuitos eletrônicos. Estes são apenas alguns dos materiais que os aprendizes veteranos do curso de Sonoplastia da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco vão utilizar para um projeto surpreendente: a criação de um hiper instrumento. Com orientação de Raul Teixeira e Martim Eikmeier, coordenador e formador do curso de Sonoplastia da Escola e, também, dos artistas-convidados Wilson Sukorski e Eugenio Lima, a ideia é montar um instrumento com duas vertentes, uma acústica e outra automática.

 

Entre muitas reuniões, projetos e investigações, além de visitas a ferros-velhos e lojas na Rua Santa Ifigênia, conhecida como um dos principais centros para venda de artigos eletrônicos da capital paulista, os aprendizes se dedicam não só a criação do hiper instrumento, mas também à realização de uma grande festa, aos moldes de uma procissão, batizada como Cerimônia Urbana: a Cidade Escondida Dentro da Cidade.

 

Mas como uma cidade pode estar escondida dentro de si mesma?  Segundo Raul Teixeira, o projeto busca a vida; a sonoridade pertinente às ruas do Brás, bairro da Zona Leste de São Paulo no qual se localiza a sede provisória da SP Escola de Teatro. “Queremos captar as impressões sonoras que o Brás nos oferece, utilizá-lo como fonte de melodias e transpor essas impressões nesta instalação”, explica.

 

A Cerimônia Urbana também pretende revelar os conteúdos que estão em cada estrutura da cidade. Assim, surgiu a ideia de ritualizar a música de uma forma crítica, por meio da união do hiper instrumento, dos sons captados e da discotecagem.  “O Brás precisa ser revelado, bem como seus territórios sonoros diferenciados, como as máquinas de costura, a herança dos árabes e bolivianos, as falas dos vendedores e as músicas que coabitam o bairro”, afirma Lima.

 

“Estamos colocando o som de onde ele veio. O Brás não tem espaço para o silêncio. Tudo é som. Uma massa sonora. Buscamos o que está por trás de cada bordão existente no Brás”, revela Eugenio. “A ideia é repor este som na cidade, construindo uma música e um encontro dela com o espaço, da cidade com as pessoas e das pessoas com seus territórios e, dessa forma, transformar isso tudo em uma grande celebração.”

 

Teixeira explica, ainda, que os envolvidos no projeto vão realizar o cortejo, com o hiper instrumento tocado em alto e bom som. E que, durante a caminhada, a proposta é utilizar os auto-falantes das lojas do Brás para propagar o som e atrair os transeuntes a integrar a Cerimônia Urbana, que termina em uma grande festa no Largo da Concórdia. Ali, Eugenio Lima, ao lado de seu toca-discos, mixer, processador de efeitos e mpc (sequenciar de eletrônica), aguarda a chegada da procissão para ligar seus aparatos de DJ.

 

A escolha por uma procissão foi inspirada no Hip Hop, segundo Lima. “Este movimento toma o espaço público e o transforma em um local de leitura, com a rua quase como se fosse o mar: onde diversos elementos e componentes habitam e todas as forças que o compõe estão reunidas. E, principalmente, é o lugar onde as pessoas se encontram”, conclui.

 

O hiper instrumento está em construção, estacionado nas dependências da SP Escola de Teatro e, semanalmente, recebe a atenção de todos os envolvidos no projeto. Prepare-se, pois ele estará finalizado e pronto para ocupar as ruas do Brás durante o último Território Cultural do semestre, previsto para o dia 16 de julho.