Por um assalto cultural – Que a arte tome a cidade de assalto

Publicado em: 08/08/2014

* por Ivam Cabral, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

Um cadeirante está entrando num táxi – com toda dificuldade que sua condição lhe impõe – e um transeunte resolve ajudá-lo. Quando, enfim, o rapaz se posiciona no veículo, o homem que parecia ter bom coração sai em disparada roubando-lhe  a bolsa. Leva laptop, celular, carteira, dinheiro, cartões e nossos corações.

 

Presenciei a cena na noite da última terça-feira, na Praça Roosevelt, em frente à SP Escola de Teatro, do lado do Espaço dos Satyros Um, na região desta cidade pela qual tenho tanto carinho. A vítima direta do crime é Michel Fernandes, jornalista e crítico teatral do Aplauso Brasil, que, atualmente, cumpre residência na SP Escola de Teatro. Indiretamente, porém, somos todos nós as vítimas dessa violência.

 

Somos extremamente frágeis, essa é a verdade. Nunca sabemos o que vamos encontrar em cada esquina. E não são poucas as áreas perigosas, desoladas, áridas de São Paulo. Mas isso, agora, nem está em questão. Estamos falando da Praça Roosevelt, atualmente – e aparentemente – um lugar seguro e habitado. Nem sempre foi assim.

 

Além, claro, de ter acontecido com um grande amigo e companheiro de teatro, o crime me machucou tanto porque o cenário foi logo a Praça Roosevelt, uma região que sofreu com tristes décadas de degradação. Era uma área inóspita, sem vida, suja, reduto de traficantes e outros criminosos tão esquecidos quanto ela própria.

 

Empreendimentos até tentaram, sem êxito, restaurar e devolver o prestígio que a Praça tivera na década de 1960, quando a arte ainda reinava com cinemas e a presença maciça de artistas e boêmios em seus bares e restaurantes. Na década de 1980, a decadência já começara a se instaurar por ali, e nos anos 1990 a situação estaria mais precária que nunca. De espaço da arte, a Praça tornou-se um espaço do crime, terra sem lei evitada pela população.

 

Pouco antes da virada do milênio, em 2000, nós, dos Satyros, assim a encontramos e ali, convictos de uma mudança, nos estabelecemos. Corremos riscos (e muitos), enfrentamos uma resistência perigosa, mas não abrimos mão de batalhar por aquele lugar. O resultado pode ser conferido hoje, 14 anos depois: a Praça renasceu e agora conta com inúmeros espaços teatrais, bares, restaurantes e prédios residenciais, além de oferecer lazer aos seus frequentadores.

 

Éramos alguns artistas com muitos sonhos e ideais de transformação. Mas nos fizemos fortes quando reunidos pelo poder mais revolucionário que existe – o poder da arte. O teatro pode, e deve, reivindicar segurança e acessibilidade – no sentido que defendo: a geração de acessos aliada à preservação da individualidade cultural de cada um – para todos.

 

Voltando ao lastimável ocorrido com Michel: o fato aconteceu às vésperas da inauguração da nova sede da SP Escola de Teatro, na Rua Marquês de Itu. Localizada a cinco minutos da Praça Roosevelt, a atual situação e a história da área não são tão diferentes. Hoje, é uma rua escura, apagada, degradada, assim como seu entorno. 

 

Sabemos disso tudo e, por isso mesmo, estamos indo até lá. Queremos nos apropriar daquele espaço e resignificá-lo. Devolver a sua dignidade, levar vida, colorir suas calçadas – a rua tem atraído, recentemente, muitos lojistas do setor de artes plásticas. Em breve, grandes histórias serão vividas ali, tenho certeza.

 

Aconteceu na Roosevelt, com um movimento cultural potente e verdadeiro. E haverá de acontecer na Marquês de Itu. Recomeçaremos nossos esforços ali, num prédio no número 275, dentro de alguns dias. Que a inauguração de nossa nova sede possa trazer luzes e esperança para este território histórico e importante para a cidade. Conto com o apoio de todos vocês!