Poesia para Todos

Publicado em: 30/06/2011

A região que cerca a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco foi alvo de mais uma edição do Poesia no Brás, nesta quarta-feira (29/06), às 13h30, com os aprendizes Alex Fradico da Silva, Léo Saldanha e Carlos Eduardo Santos, do curso de Sonoplastia, e Sergio Luiz, de Humor, todos do Módulo Azul da Escola.

 

O grupo, que foi nomeado de “Ganjah é Nóis” foi à rua, mais exatamente ao Banco do Brasil da Avenida Rangel Pestana, para realizar sua intervenção. Então, penduraram uma faixa branca na escada do prédio, com a poesia intitulada “Não Encontro Palavras”, que aborda temas relacionados à cidade de São Paulo, trazendo, simultaneamente, seus problemas e encantos.

 

Com a faixa fixada, assumiram os postos de músicos, e, de violão, gaita e batuque nas mãos, começaram a tocar. Quando algumas pessoas já se reuniam para acompanhar a apresentação, policiais militares interromperam a apresentação e pediram que os aprendizes fossem à outro lugar pois naquele estavam dificultando a passagem dos pedestres. Persistentes, voltaram à porta da Escola e retomaram a ação, desta vez realizada até o fim.

 

“O objetivo desta intervenção é provocar diálogos e também gerar um momento de descontração. Às vezes, as pessoas, que estão sempre andando apressadas, nem dão atenção. Mas estamos fazendo algo diferente, é isso que importa”, comenta Fradico.

 

Já às 14h30, a própria Escola recebeu uma ação do Poesia no Brás. Desta vez, com os aprendizes de Direção do Módulo Verde, Durval Montovaninni, Jefferson Brito e Lucas Vitorino, além de Jerivan da Rocha, aprendiz de Sonoplastia do Módulo Azul.

 

Em vez das pessoas que andam pelas ruas do bairro, o público escolhido pelo grupo foi o da terceira idade que frequenta as oficinas culturais promovidas no prédio da SP Escola de Teatro. Os aprendizes trouxeram vários livros para realizar uma leitura de poemas em uma das salas das oficinas. 

 

Depois de abrirem uma roda e depositarem alguns livros no meio do espaço, cada aprendiz pegava uma obra e recitava um poema de sua escolha. Em seguida, foi a vez dos senhores e senhoras se deliciarem lendo trechos que iam de Pablo Neruda a João Cabral de Melo Neto. 

 

“Adorei fazer isso. Eles conseguiram entender a proposta e rolou uma troca muito bacana. Às vezes, as pessoas aqui das ruas do Brás são um pouco arredias, então é bom ver quando alguém se envolve e participa da atividade”, comentou Durval Montovaninni. Jerivan da Rocha foi além, e afirmou: “esta foi uma das melhores coisas que eu já fiz pela Escola. Foi sensacional”.

 

O projeto Poesia no Brás é uma contrapartida social dos aprendizes beneficiados com a Bolsa-Oportunidade do Programa Kairós, que, por meio da arte, devolvem à sociedade a sua vivência na SP Escola de Teatro. Foram formados 36 grupos, quase todos com quatro integrantes, com o objetivo de realizar intervenções no entorno da Escola, utilizando a poesia numa tentativa de sensibilizar e aproximar a comunidade da região à arte.

 

Para isso, os grupos devem pesquisar literatura brasileira e estrangeira ou até mesmo produzir material autoral, lançando mão de diversos outros recursos, como música, dança, caracterizações e filmagem.