Peça de Vianninha reestreia sob direção de João das Neves

Publicado em: 01/08/2014

“Os Azeredo mais os Benevides”, peça escrita por Oduvaldo Vianna Filho e encenada por João das Neves, cumprirá, a partir de hoje (1º), sua segunda temporada no Cine-Teatro Denoy de Oliveira, com sessões às sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h.

 

Homenageado recentemente com o 2º Prêmio SP Escola de Teatro, o diretor e dramaturgo João das Neves é o responsável por levar a peça ao palco pela primeira vez desde que ela foi criada, na década de 1960. 

 

Produzida pelo Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), a peça tem elenco composto por 20 atores, sendo um deles Pedro Monticelli, que foi aprendiz da primeira turma de Humor da SP Escola de Teatro. “Esse trabalho é histórico e contém personagens fundamentais do nosso teatro brasileiro”, comenta.

 

A trama expõe o início da amizade entre Alvimar e Esperidião. O primeiro é camponês, o outro é um jovem e empreendedor senhor de terras. Um é azarado, outro bem de vida. Com o passar dos anos, ainda que eles se esforcem para manter a parceria, o laço que os une aos poucos vai sendo desfeito.

 

50 anos na gaveta

Com trilha musical de Edu Lobo (“Chegança”), “Os Azeredo mais os Benevides” inauguraria o teatro da Une, ainda em 1964. Nelson Xavier seria o responsável pela aguardada encenação. No entanto, no dia 1º de abril um incêndio acometeu o prédio e o teatro da Une. Depois, a censura por parte do regime militar acabou com as expectativas de montagem do texto, que permaneceu inédito até hoje, 50 anos depois de sua criação.

 

Em 1966, mesmo sem ter sido encenada, a peça chegou a ser premiada pelo Serviço Nacional de Teatro (SNT), órgão do então Ministério da Educação e Cultura, e publicada em 1968. 

 

Para a montagem atual, o maestro Marcus Vinicius completou a trilha musical concebia por Edu Lobo na época. “Relendo hoje o texto me vem à lembrança as palavras de Vianninha naquele instante: ‘apesar de tudo, eu não acredito num retrocesso do processo democrático’. O que me faz pensar na curiosa dicotomia que, às vezes, se estabelece entre o artista e sua obra. No caso, Vianinha, o militante político, não conseguia perceber o que o artista já dizia com admirável clareza em Os Azeredo Mais Os Benevides”: que era irrealizável a aliança entre opressores e oprimidos; que aqueles sempre acabariam colocando em primeiro plano os seus interesses, e só eles, não importando as razões e (ou) emoções destes”, diz João das Neves.

 

Ficha Técnica

Peça de Oduvaldo Vianna Filho

Direção: João das Neves

Música: Edu Lobo (Chegança); Marcus Vinícius

Cenografia e Figurinos: Rodrigo Cohen

Direção Musical: Leo Nascimento

Assistente de Direção: Alexandre Kavanji

Cenotécnico: Edson Freire Vieira

Iluminação: Leandra Demarchi

Assistente de Figurino: Arieli Marcondes

Preparadores de Corpo: Alício do Amaral Mello Junior; Juliana Teles Pardo  

Elenco: Chico Américo; Danilo Caputo; Emerson Natividade; Érika Coracini; Ernandes Araujo; Graça Berman; Guilherme Vale; João Ribeiro; Junior Fernandes; Leonardo Horta; Leo Nascimento; Marcio Ribeiro; Mariana Blanski; Paula Belaguarda; Pedro Monticelli; Rafaela Penteado; Rebeca Braia; Ricardo Mancini; Telma Dias; Zeca Mallembá

 

Serviço

“Os Azeredo mais os Benevides”

Quando: Sextas e sábados, às 20h; domingos, às 19h 

Onde: Cine-Teatro Denoy de Oliveira

Rui Barbosa, 323 – Bela Vista

Tel.: (11) 3289-7475

Ingressos: R$ 30

 

Texto: Felipe Del