EN | ES

Palco Giratório

Publicado em: 13/06/2011

Um trecho do texto “Santa Joana dos Matadouros”, de Bertold Brecht e a arquitetura de uma fábrica desativada situada na Zona Leste da capital paulista foram a fonte de inspiração para a maquete produzida pelos aprendizes do curso Técnicas de Palco da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. Carlos Pereira, Marco Aurélio de Tolledo e Luís Gustavo Garcia são os autores da maquete selecionada para integrar a Mostra das Escolas durante a 12ª Quadrienal de Praga.
 

Ansioso para sua primeira viagem internacional, Pereira, de 60 anos, revelou que está muito satisfeito com a seleção de seu projeto e feliz com a possibilidade de ver o fruto de seu trabalho exposto em um evento de tanta abrangência. “Trabalhamos muito e tudo foi feito com carinho. Poder ir até Praga me trouxe a sensação de missão cumprida. Durante a viagem, quero me aprimorar em cenotecnia, área que escolhi para atuar”, revela.
 

Para Garcia, integrar a Quadrienal de Praga também foi uma grande conquista. “É uma vitória. Estou emocionado por acompanhar Pereira em sua primeira viagem internacional, como eu fiz aos meus 24 anos. A ajuda da Escola também é um estímulo a todos os aprendizes”, ressalta.
 

“Acredito que a ocupação de um espaço teatral não-convencional foi o grande desafio desse projeto, o destaque, para mim, é o palco de paletes de madeira redondo e giratório, de mais de dois metros de altura, feito sob forte inspiração no trecho em que Brecht cita a quebra da bolsa de valores”, conta Garcia.
 

Já para Tolledo a ambientação da maquete feita com base na degradação, no ambiente escuro e nas paredes mofadas da fábrica abandonada foram os elementos mais evidentes e marcantes do projeto.
 

O aprendiz revelou ainda que seu primeiro contato com a cenografia foi na SP Escola de Teatro e, com a seleção de seu projeto para Quadrienal, conseguiu enxergar seu futuro profissional como cenógrafo de forma mais positiva. “Enfrentei muitas dificuldades durante a execução do projeto e, passada a tempestade, consigo visualizar um futuro bem promissor para minha carreira”, conclui.
 

Imagem: sxc.hu

Foto Capa: Fernanda Lopes Correa em cena de “Santa Joana dos Matadouros” | Rodrigo Meneghello