O livro do mês | “A mochila do mascate”

Publicado em: 07/02/2014

Como de costume, todo início de mês traz consigo uma indicação literária de Maurício Paroni de Castro, diretor e dramaturgo, que também coordena o espaço de discussão informal que ganhou o nome de Chá e Cadernos, também mensal, realizado sempre na última sexta-feira do mês, na Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco.

 

E o livro do mês de fevereiro, segundo dica de Paroni, é “A mochila do mascate” (Ed. Hucitec), de Gianni Ratto.

 

“Para aqueles que conheceram pessoalmente Gianni Ratto, é óbvia a leitura obrigatória deste volume. Mas, para a geração de jovens que em formação atualmente, a leitura é mais fundamental ainda, por se tratar de uma sincera confissão sobre a felicidade e vicissitude de ser um artista europeu que se radicou no Brasil com a decisão e profundidade com que ele fez.  Seus ex-companheiros de Piccolo Teatro (que foram meus professores ali), em Milão, eram curiosos sobre quais eram os seus motivos para vir ao Brasil. Aqui estão, muito bem expostos. Exposição que resulta numa autobiografia, num tratado de encenação, num compendio de história do teatro, num elogio da humildade e necessidade do artesanato para construir a arte”, observa o artista.

 

Para ele, Ratto foi “um grande homem de teatro”, e esse livro, “único e fundamental”, é referência, assim como textos de Anatol Rosenfeld e Otto Maria Carpeaux. 

 

Para se ter uma ideia da leitura: 

“Gianni Ratto, diretor e cenógrafo, é um velho conhecido do público brasileiro, ninguém esquece de suas maravilhosas cenografias para os mais variados espetáculos, incluindo balés, óperas e cinema. Agora Gianni Ratto, aos bem-vividos 80 anos, nos presenteia com um livro tirando de sua Mochila do Mascate fatos que ilustram toda a sua experiência pessoal e profissional, desde sua infância na Itália, a passagem pelo fascismo, a 2ª Guerra Mundial, a chegada ao Brasil e a convivência com as grandes figuras do ambiente cênico que dirigiu. Como diz Sábato Magaldi no prefácio: ‘Lamenta-se apenas que o livro tenha acabado’”.

 

“A mochila do mascate” já está disponível em nossa biblioteca! Boa leitura!