Mais Mesas do Colóquio ‘O Que é Pedagogia do Teatro?’

Publicado em: 09/05/2013

A SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, dá prosseguimento, neste mês, ao Colóquio “O Que é a Pedagogia do Teatro?”, que tem entrada gratuita e é aberto ao público.

Com curadoria da Prof.ª Dr.ª Ingrid Dormien Koudela, livre-docente da ECA-USP, o Colóquio propõe a organização de temas, a serem debatidos por especialistas, com a proposta de ser um instrumento de trabalho da Pedagogia do Teatro. Os temas, que se estenderão até o final deste ano, serão debatidos em 13 mesas, que vão enfocar a Pedagogia do Teatro, na prática e na teoria. “Incorporamos na proposta do Colóquio, temáticas que alcançaram projeção significativa no discurso internacional e que pertencem aos conhecimentos reunidos na área. Os encontros pretendem se caracterizar como disciplina de integração entre os polos teatro e pedagogia, bem como de disciplinas limítrofes”, observa Ingrid Koudela.

 

Primeira mesa do Colóquio (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

 

A segunda mesa está programada para terça-feira (14 de maio) e trará para o debate Marici Salomão, coordenadora do curso de Dramaturgia da SP Escola de Teatro; a Prof.ª Dr.ª Rosa Iavelberg, da Feusp; o Prof. Dr. Pedro Paulo Salles, da ECA-USP, e Janete Andrade, da Fundação Cultural de Curitiba. Eles se debruçarão sobre o assunto: “Linguagens da Arte – I”.

 Já na quinta-feira (16), será a vez de dar prosseguimento ao debate com a realização da mesa “Linguagens da Arte – II”, com a Prof.ª Dr.ª Cássia Navas e o escritor João Silvério Trevisan. No sábado (18), das 12h30 às 14h30, o tema é concluído com Veronica Veloso, Tonio Carvalho e Roberto Duarte, na mesa “Linguagens da Arte – III”.

O colóquio segue no dia 28 de maio, das 19h às 21h, com a mesa “Pedagogia do Teatro + ou – Teatro”, com Florian Vassen, da Universidade de Hannover/Alemanha.

Sobre os participantes das Mesas
Marici Salomão
Dramaturga, jornalista e crítica teatral, teve sua formação dramatúrgica orientada por Luís Alberto de Abreu, entre 1992 e 1997, e por Antunes Filho, no CPT, onde foi coordenadora do Círculo de Dramaturgia, entre 1998 e 2003. “Maria Quitéria”, “Bilhete”, “Impostura”, “O Pelicano”, “Atos de Violência” e “Território Banal” são alguns de seus textos já encenados. Em 1995, foi uma das premiadas no I Concurso de Textos Inéditos do Sesi-SP, com “Retiro dos Sonhos”. Com outras três dramaturgas, criou o núcleo de estudos e produção Dramáticas em Cena. É jurada do prêmio Shell de Teatro, curadora e coordenadora artística do projeto Dramaturgias Urgentes, do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em São Paulo. Na imprensa, atuou como colaboradora do Caderno 2 do jornal “O Estado de S. Paulo” e da revista “Bravo!”. Atualmente, responde pelas coordenações do Curso de Dramaturgia da SP Escola de Teatro e do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, desde junho de 2008.

Prof.ª Dr.ª Rosa Iavelberg
Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo (1973), mestrado em Educação (1993) — ambas pela USP — e doutorado em Artes pela ECA/USP (2000). Atualmente, é professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo — Feusp. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, formação de professores, arte na educação, currículo de arte na educação, desenho da criança e do jovem. Coordenadora do setor educativo do Centro Universitário Maria Antônia, órgão de extensão universitária e cultura ligado à USP, também coordena o curso de especialização As Linguagens da Arte, da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da mesma universidade. É uma das autoras dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) na área de Artes.

Prof. Dr. Pedro Paulo Salles

Graduado em Música pela USP (1987), tem mestrado (1996) e doutorado (2002) em Educação pela Feusp — Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Música da ECA-USP, atuando na graduação e na pós-graduação. É coordenador do Laboratório de Educação Musical do Departamento de Música. Tem experiência na área de Educação Musical e Etnomusicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação musical, processos de criação musical e desenvolvimento de notações musicais com crianças, estudos sobre paisagem sonora, trabalhos em dramaturgia e direção teatral voltados à educação, estudos em etnomusicologia da música indígena brasileira e em arqueomusicologia de culturas mesoamericanas.

Janete Andrade
Iniciou seus estudos de música na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Foi integrante do Conjunto Renascentista de Curitiba. Em 1985, iniciou seus estudos de Música Antiga na Schola Cantorum Basiliensis, em Basel (Suíça), onde permaneceu durante seis anos, especializando-se em Música Medieval e Barroca. Participou de workshops e cursos de extensão na Alemanha, Holanda, Suíça e França. Atuou como 1ª oboísta na Orquestra da Sociedade Bach de São Paulo. Foi solista da Camerata Antiqua de Curitiba. Participou, como professora, de diversos festivais de música no Brasil, como o Festival de Música de Londrina, a Oficina de Música de Curitiba, o Festival de Música de Cascavel e o Festival de Coros dos Meninos Cantores em Novo Hamburgo (RS). Trabalhou na Secretaria de Estado da Cultura do Paraná como assessora de música, sendo responsável pelos principais projetos musicais pedagógicos e artísticos no Estado. Desde 2001, comanda todos os projetos de música ligados à Fundação Cultural de Curitiba; estão sob sua responsabilidade a Camerata Antiqua de Curitiba, o Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba e a Oficina de Música de Curitiba.

Prof.ª Dr.ª Cassia Navas

Professora doutora do Instituto de Artes (IA)/Unicamp, é graduada em Direito (USP), doutora em Dança e Semiótica (PUC/SP), pós-doutora em Artes (ECA/USP), especialista em Gestão e Políticas Culturais (Unesco, Université de Dijon e Ministère de la Culture/France). Foi pesquisadora da equipe de Artes Cênicas/Idart/Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e coordenadora da Rede Stagium e da Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo. Pertence aos conselhos editoriais das revistas “Urdimento”, da Universidade Estadual de Santa Catarina; “Cena 7”, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; “Rebento”, da Unesp; e “Moringa”, da Universidade Federal da Paraíba, entre outros. Foi conselheira titular das artes da cena da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), do Ministério da Cultura do Brasil (MinC) e membro do Colegiado Nacional de Dança, do MinC. Atuou como consultora do Teatro de Dança (TD), da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

João Silvério Trevisan

Escritor, jornalista, dramaturgo, tradutor, cineasta e coordenador de oficinas literárias. Recebeu vários prêmios em teatro, cinema e literatura, dentre os quais o Concurso Latinoamericano de Cuento, em Puebla (México), o Prêmio Jabuti (três vezes) e o da APCA — Associação Paulista dos Críticos de Arte (três vezes). É precursor de oficinas literárias a distância, via internet, tendo trabalhado por sete anos como coordenador do Espaço Literário no site do Sesc-SP. Obras cinematográficas: “Contestação” (1969) e “Orgia ou o Homem que Deu Cria” (1971). Obras literárias: “Testamento de Jônatas Deixado a David” (1976), “As Incríveis Aventuras de El Cóndor” (1980), “Em Nome do Desejo” (1983), “Vagas Notícias de Melinha Marchiotti” (1984), “Devassos no Paraíso” (1986/2000), “O Livro do Avesso” (1992), “Ana em Veneza” (1994), “Troços & Destroços” (1997), “Seis Balas Num Buraco Só — A Crise do Masculino” (1998), “Pedaço de mim” (2002) e “Rei do Cheiro” (2009). Tem obras traduzidas para o inglês, alemão e espanhol.

Veronica Veloso

Mestre em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Sob a orientação de Maria Lúcia Pupo, desenvolveu a pesquisa “Jogos do Olhar — O Cinema como Recurso para a Composição da Cena Teatral”, com apoio da Fapesp (2008). Licenciada em Artes Cênicas pela ECA/USP (2003). Atriz e diretora, está à frente do Coletivo Teatro Dodecafônico. Encenou os espetáculos “Salta!”, “São Paulo Através do Espelho”, “O que Ali se Viu”, “O Disfarce do Ovo — Uma Reação a Clarice Lispector”, entre outros. Como docente na área teatral, foi professora do curso de Teatro, Artes Visuais, Dança e Música da Uniso — Universidade de Sorocaba, formadora convidada do curso de Atuação da SP Escola de Teatro, de Expressão Corporal e Improvisação da Escola de Atores do Tuca — PUC/SP e professora de Teatro da Escola da Vila, onde ministra cursos de iniciação teatral para crianças e adolescentes. Integrante do Obara — Grupo de Pesquisa e Criação, Prêmio Funarte Klauss Vianna de Dança (2006). Artista-orientadora do Projeto Vocacional da Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de São Paulo.

Roberto Duarte

Um dos mais requisitados regentes brasileiros, com larga experiência também na Europa, estudou no Rio de Janeiro, aperfeiçoando-se na Itália e na Alemanha. Tem dirigido orquestras na Suíça, Alemanha, Áustria, Hungria, Rússia, Chile, Argentina e Itália. Foi regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da UFRJ, Orquestra Sinfônica do Paraná, Orquestra Unisinos (RS) e diretor musical e fundador da Orquestra do Theatro São Pedro (SP). Prêmios: APCA de melhor regente, em 1994 e 1997; Prêmio Nacional de Música, da Funarte, em 1996; Prêmio Carlos Gomes, em 2001 e 2010; e Medalha Carlos Gomes, em 2010. Professor de Regência na UFRJ e na UFMG. Masterclasses no Brasil, Chile, Grécia, Sérvia, Suíça e Itália. É membro da Academia Brasileira de Música — da qual é vice-presidente —, da Academia Nacional de Música e da Academia Brasileira de Música e Letras.

Tonio Carvalho

Autor de literatura para crianças e jovens. Já recebeu inúmeros prêmios, sendo os mais importantes os troféus Mambembe do Rio e de São Paulo, como autor, diretor e cenógrafo; o APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte; e o Coca-Cola de Teatro Infantil, como diretor. Para adultos, é autor de “Norma”, em coautoria com Dora Castellar, encenado com Ana Lucia Torre e Eduardo Moscovis. Seus últimos trabalhos, ainda inéditos na categoria adulto, são: “A Noite dos Cisnes”, “Os Príncipes”, “Feridas de Deus”, “Vagas Estrelas”, “Primavera ou Minha Namorada” e “Nocaute”. Na parte de literatura para jovens, assina as obras “Esta é a História de Uma Janela” e “Carmelita, a Tartaruga”, ambas pela Editora Melhoramentos, e “Coleção do Avesso”, pela Editora Imperial Novo Milênio. No cinema, é autor dos roteiros de “Norma”, “É a Mãe” (com Paulo F. Góes), “Na Boca do Lobo” e “Kim”. Dirige a Oficina e Usina de Atores da Rede Globo de Televisão desde 1990.

Prof. Dr. Florian Vassen

Estudou Alemão, Francês, Filosofia e História nas universidades de Frankfurt e Marburg, na Alemanha, e em Aix-en-Provence, na França, onde foi agraciado com o título de DPhil (PhD) em 1970. Foi professor-assistente na Universidade de Giessen, na Alemanha. Em 1982, assumiu sua atual posição como professor de Literatura Alemã na Universidade de Hannover, onde é o diretor do Arbeitsstelle Theater/Theaterpädagogik (Centro de Teatro/Pedagogia do Teatro) e coeditor do “Korrespondenzen — Zeitschrift für Theaterpädagogik” (Jornal de Pedagogia do Teatro). Seus campos de interesse de pesquisa incluem Drama e Teatro, Teoria e Prática da Pedagogia do Teatro, a Literatura do “Vormärz”, Bertolt Brecht e Heiner Müller.

Serviço
Colóquio: “O Que é a Pedagogia do Teatro?”

Mesa 2: “Linguagens da Arte – 1”
Com Marici Salomão, Prof.ª Dr.ª Rosa Iavelberg, Prof. Dr. Pedro Paulo Salles e Janete Andrade,
Quando: Terça-feira (14), das 19h às 21h

Mesa 3: “Linguagens da Arte – II”

Com Prof.ª Dr.ª Cassia Navas e João Silvério Trevisan
Quando: Quinta-feira (16), das 19h às 21h

Mesa 4: “Linguagens da Arte III”

Com Veronica Veloso, Tonio Carvalho e Roberto Duarte
Quando: Sábado (18), das 12h30 às 14h30

Mesa 5: “Pedagogia do Teatro + ou – Teatro”
Com Florian Vassen
Quando: Terça-feira (28), das 19h às 21h

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210 – Consolação
Tel. (11) 3775-8600
Grátis.
 

 

 

Texto: Majô Levenstein