Escola tem aula inaugural com tradicional recepção, palestra e leitura dramática

Publicado em: 21/01/2014

O primeiro dia letivo do semestre na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco é sempre uma grande celebração. Na aula inaugural do último sábado (18) foram realizadas diversas atividades especiais para dar as boas-vindas aos novos aprendizes e àqueles que dão continuidade aos seus estudos na Escola.

 

Durante o encontro, realizada na Sede Brás da Instituição, os aprendizes foram apresentados à diretoria e aos coordenadores dos Cursos Regulares e receberam seus kits e camisetas. Os ingressantes também participaram de duas oficinas que funcionam como ritual de iniciação: na primeira os aprendizes colocaram a mão na massa e aprenderam a arte de fazer pães, que logo em seguida foram degustados. Na segunda oficina, o artista plástico Juvenal Irene conduziu os participantes em uma aula de pintura de azulejos.

 

(Foto: André Stéfano)

 

Ivam Cabral, diretor executivo da Instituição, chamou ao palco cada um dos coordenadores e leu o poema “Não escolhi ser um homem comum”, de Brecht: “Minha herança é ficar ereto, altivo e sem medo, pensar e agir por conta própria e, aproveitando os benefícios de minha criatividade, encarar arrojadamente o mundo e dizer: Isto é o que eu sou”.

 

“Tudo que vocês vão vivenciar durante os próximos dois anos é o que somos. É o que acreditamos. É o que, diariamente, a gente insiste: nós viemos para fazer a diferença, todos queremos mudar o mundo. Como bons artistas, nós somos sonhadores, e vamos batalhar para que esse mundo seja mais humano e afetivo e para construir um território solidário, como diz Milton Santos. Bem-vindos a uma grande aventura!”, finalizou Ivam Cabral.

 

À tarde, um encontro com o escritor Antonio Prata, que escreve no caderno Cotidiano da Folha de São Paulo e é roteirista contratado pela Rede Globo, movimentou os aprendizes. Na conversa, ele compartilhou um pouco de sua experiência, trazendo histórias e comentando alguns de seus trabalhos, como o mais recente, “Nu, de botas”. “Este livro tem especial interesse para nós, pois se conectará com o operador dos Módulos Verde e Azul”, comenta Joaquim Gama, coordenador pedagógico da Instituição.

 

Antonio Prata (Foto: André Stéfano)

 

No final da tarde, encerrando a programação do dia, Cléo De Páris, Eric Lenate, Robson Catalunha, Ana Dulce Pacheco e Isabela Delambert fizeram uma leitura dramática do texto “Estações”, da aprendiz de Dramaturgia do Módulo Azul, Nina Denobile. A direção foi assinada por Marcelo Thomaz.

 

 

Texto: Felipe Del

Relacionadas:

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS