De Pai para Filho

Publicado em: 07/04/2011

Desde que a atriz e diretora Dulcina de Moraes subiu ao palco pela primeira vez, no início do século XX, a tradição familiar passou a ser uma constante do teatro brasileiro. Filha dos atores Conchita e Átila de Moraes, estreou aos 15 anos de idade mantendo a tradição e fazendo história nos palcos nacionais. Durante décadas, foi um dos maiores nomes da cena do País, formando gerações de profissionais da arte de representar.
 

A herança familiar, desde então, tem marcado presença no teatro brasileiro. Procópio Ferreira, por exemplo, considerado uma dos maiores atores do Brasil, deixou o talento de herança para sua filha Bibi Ferreira, que, por sua vez, serviu de exemplo para a terceira geração da família, representada por Thina Ferreira.
 

Assim como os Goulart, que podem ser considerados uma das árvores genealógicas com mais ramos do teatro brasileiro, cuja semente foi plantada pela matricarca Eleonor Bruno, mãe de Nicette Bruno, que se casou com Paulo Goulart. Todos os filhos do casal ,Beth, Bárbara e Paulo, assim como suas netas, seguiram seus passos.
 

A arte de representar passada de pai para filho também se encontra na família de Pelópidas Guimarães Brandão Gracindo, mais conhecido com Paulo Gracindo. Seu filho, Gracindo Jr. marcou o teatro carioca e, consequentemente, o brasileiro com sua assinatura tanto como ator como diretor. Por sua vez,Gabriel Gracindo, o neto, também começa a seguir os passos do avô e do pai.
 

Nessa mesma corrente familiar, Cecil Thiré, filho da atriz Tônia Carrero, serviu de exemplo para seus filhos, Carlos, Miguel e Luísa, que seguem na mesma carreira que consagrou sua família.
 

Todos esses artistas, que ajudaram a contar a história do teatro brasileiro, integram a lista de personalidades que compõem a Enciclopédia Virtual do Teatro Brasileiro. Ao completar um ano de existência dentro do site da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, a Enciclopédia está chegando aos seus quase 2 mil verbetes. Criada de maneira a receber a colaboração de toda a comunidade e classe artística, está sempre aberta a abrigar nomes que fizeram, fazem, ou farão parte da história do teatro nacional.