Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Com Caco Ciocler e Juliana Galdino, ‘Fluxorama’ estreia no Sesc Ipiranga

Publicado em: 18/07/2016

Imagem de divulgação de “Fluxorama”. Foto: Caio Gallucci.
 

Os dramas de quatro personagens que vivem situações-limite e tornam-se reféns do fluxo de seus pensamentos são o ponto de partida de “Fluxorama”, de Jô Bilac, que é encenado completo, pela primeira vez, no Sesc Ipiranga, entre 22 de julho e 21 de agosto.

Criado em um processo de investigação da dramaturgia performativa, o espetáculo foi dividido em quatro cenas, sendo que as três primeiras delas já estrearam em diferentes momentos. Além disso, desde 2009, o texto tem sido estudado em oficinas teatrais ministradas por Bilac em São Paulo, Recife, Petrolina, Campina Grande, Natal, João Pessoa, Acre, Florianópolis e Joinville.

O primeiro fluxo narra a história de Amanda, que sofre com uma misteriosa doença degenerativa. Certo dia, ao acordar, percebe que está surda e decide manter sigilo em relação a seu estado. Com o passar do tempo, ela perde outros sentidos da percepção e adota a mesma postura. Dessa maneira, redimensiona o tamanho de sua existência e de suas escolhas.

O segundo personagem, Luiz Guilherme, acabou de sofrer um acidente de carro em uma estrada deserta. Preso nas ferragens do veículo, ele tenta manter a consciência enquanto espera por um resgate que não sabe se chegará. Para isso, foca em pequenas e grandes questões de sua vida, como seu relacionamento, os bens que comprou e as contas a serem pagas.

Valquíria corre na maratona São Silvestre, em São Paulo, pela primeira vez. À medida em que tenta superar os limites de seu corpo, pensamentos desconexos transformam o desafio físico em uma luta pela autoestima.

Já cena inédita “Medusa” revela o desespero de um homem para meditar diante de todo o caos urbano. Ele tenta limpar sua mente, mas os pensamentos o levam a buscar um sentido para a vida. O elenco conta com a participação de Caco Ciocler, Juliana Galdino, Luiz Henrique Nogueira e Marjorie Estiano. Monique Gardenberg assina a direção da montagem.

Serviço

“Fluxorama”, de Jô Bilac
Sesc Ipiranga
Rua Bom Pastor, 822, Ipiranga. (11)3340-2000
Estreia 22/7. Qui. e Sex., 21h; Sáb, 19h e 21h; e Dom., 18h. Até 21/8.
R$40. 14 anos. 80 minutos 




Relacionadas:

Notícias | 15/ 08/ 2022

Gargarejo Cia. Teatral apresenta projeto em que revisita obras clássicas de Machado de Assis na próxima terça (16), na SP

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

Miguel Rocha, artista egresso da SP e diretor da Cia. de Teatro Heliópolis, é indicado ao Prêmio APCA 2022; veja entrevista exclusiva!

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

SP Escola de Teatro e Itaú Cultural promovem a 1ª Edição do Seminário O Sujeito Histórico do Teatro de Grupo do Estado de São Paulo

SAIBA MAIS