Chá e Cadernos discute o conceito de Parresia e Peter Handke

Publicado em: 30/08/2013

E como acontece na última sexta-feira de cada mês, entra em cena, na Biblioteca da Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, mais uma edição da série Chá e Cadernos

Na noite de hoje (30), o assunto em pauta é “Parresia e o insulto ao público”. O encontro, coordenado pelo dramaturgo e diretor Maurício Paroni de Castro, é gratuito e aberto ao público.

Além do termo Parresia, que vem do grego e foi estudado pelo filósofo francês Michel Foucault, em sua obra “O governo de si e dos outros”, Paroni também vai provocar o público para debater sobre outro conceito, o de “insulto público”, abordado pelo autor austríaco Peter Handke.

“O termo parresia pode, em poucas e rudes palavras, ser definido como uma ação que desafia a morte e a catástrofe para defender o que se acredita ser verdadeiro. O texto de Peter Handke, se colocado em relação ao tema, torna a sua leitura intrigantemente influenciada por provocações do tipo: ‘O teatro não é ilimitado. O teatro é limitado’. A possibilidade lógica de escolher e montar o pensamento que queremos é a fascinante conversa desta ultima sexta-feira do mês”, promete Paroni.

Para aquecer o debate, o diretor e dramaturgo selecionou algumas frases extraídas do texto do escritor austríaco:

“Vocês não estão compartilhando nenhuma experiência”;

“Isto não é miragem”;

“O vazio deste palco não é a cena de outro vazio”;

“Aqui, a palavra não dita carece de significado”;

“Aqui não há palavra não dita”;

“O silêncio não diz nada”;

“Vocês não pensam nada. Vocês não pensam em nada. Nós pensamos por vocês”;

“Objetos traiçoeiros não estão no programa”.

Serviço
Chá e Cadernos: “Parresia e o insulto ao público”

Com Maurício Paroni de Castro
Quando: Hoje (30), às 19h30
Biblioteca da Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco
Praça Roosevelt, 210 – Consolação
Tel. (11) 3775-8600
Grátis
 

 

Texto: Esther Chaya Levenstein