Arturo Gamero traz Van Gogh ao Módulo Azul

Publicado em: 13/04/2011

Arturo Pérez Gamero é filósofo, educador e poeta. Já conferiu uma oficina reflexiva sobre educação e filosofia na 29ª Bienal, em São Paulo.  Na Mostra Paralela 2008, realizada no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, Gamero apresentou atividades que proporcionaram um primeiro encontro de estagiários com a Arte Contemporânea. No lançamento do “Dossiê Blanchot” (Maurice Blanchot , escritor e teórico da literatura francesa), o filósofo fez uma exposição de desenhos. Ele também foi um dos artistas selecionados para participar do Programa de Exposições do Museu de Arte de Ribeirão Preto (Marp), em 2008. Vincent Van Gogh, por sua vez, pintor pós-impressionista, reconhecido mundialmente é considerado um dos maiores de sua época.
 

Traçar um panorama geral do trabalho de Antonin Artaud, ajudando, assim, os aprendizes do  Módulo Azul a fazer uma releitura teatral com base no livro “Van Gogh. O Suicidado da Sociedade” é o objetivo de Gamero. 
 

Segundo ele, aliás, o projeto tem a pretensão de aproximar os aprendizes da noção de performatividade. “Releitura não compreendida como um paralelismo perfeito, mas o estabelecimento de uma zona aproximativa a partir da qual se possa mesmo ampliar o trabalho original de Artaud na constelação de vozes emitidas pelo experimento”, revela o filósofo.
 

Ainda de acordo com o educador, Artaud é a pessoa mais indicada para ser pega como base para criação deste projeto porque ele se nega a tutelar qualquer tipo de corrente ou via de discípulos. Deste modo, Artaud é o referencial mais importante para estas questões de caráter performativo, figura emblemática para a compreensão da dobra moderna.
 

O filósofo, que estará ministrando o curso até 16/04, com o panorama da obra de Artaud; de 10/05 a 21/05, com o acompanhamento dos experimentos e de 21/06 a 28/06 com o encontro dos experimentos, se diz muito feliz com o convite e grato pela recepção por parte dos aprendizes.
 

Curiosidades: por ironia, durante sua vida, Van Gogh só conseguiu vender  um quadro, chamado “A Vinha Encarnada” ou “Vinhas Vermelhas”. As suas obras mais conhecidas são os quadros em que ele pintou girassóis, sua flor preferida. A depressão, devido à pobreza e às rejeições que sofreu, só piorou ao longo dos anos. Ele foi internado algumas vezes, até que seu irmão, Theo, o levou para ser tratado pelo Dr. Paul Gachet, de quem Van Gogh fez um quadro chamado “Retrato do Doutor Gachet”, que mais tarde foi comercializado por cerca de US$80 milhões.