Aprendiz em Foco: Diego Velloso

Publicado em: 21/06/2012

Karol Józef Wojtyła ou, como é conhecido no mundo todo, papa João Paulo II (1920-2005), deixou um legado que inclui, surpreendentemente, atuações no teatro, em sua juventude, e até uma peça escrita por ele, sob o pseudônimo de Andrzej Jawién, na década de 1960. Depois de 30 anos de esforços para que a montagem pudesse ser levada aos palcos, o objetivo foi cumprido e “Enlace – a Loja do Ourives” cumpre temporada no Teatro Tuca até 8 de julho.

O texto, criado por Wojtyla quando tinha 40 anos e era ainda Bispo de Cracóvia, é composto por vários monólogos que abordam questões existenciais sobre temas como amor e casamento. É explorada, dessa forma, a riqueza presente no amor entre o homem e a mulher, com toda sua complexidade: união e separação, encantos e desencantos, esperanças e medos.

Com direção cênica de Roberto Lage, o musical conta com um extenso elenco – são 26 atores acompanhados por 10 instrumentistas, dirigidos por Thiago Gimenes. A SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco tem um “representante” nesse elenco.

Trata-se do ator Diego Velloso, que cursa Cenografia e Figurino na Instituição e começou a trabalhar na montagem em fevereiro. Na etapa de criação, Iza de Nina, sua colega de curso, assumiu cargo de estagiária na produção. A operação de luz também é de responsabilidade de outro aprendiz: Douglas Bisi, de Iluminação.

Na peça, Velloso interpreta o pacato e conservador Nikolai (na fase da juventude), que se envolve com a sonhadora Ewa, uma moça com certa tendência ao feminismo e desejo de liberdade.

“Está sendo uma experiência muito interessante, pois recebemos um público que não está tão acostumado a ir ao teatro, como muitas pessoas da Igreja. São padres, bispos, freiras. Apesar de ficarem com certo receio em algumas cenas, até por não ser um texto religioso, eles estão gostando bastante e nos dando uma boa devolutiva”, comenta Velloso.

O aprendiz informa também sobre um contato feito pelo próprio Vaticano, que convidou a produção para levar a montagem ao país. “Existe um representante do Vaticano que acompanhou todo o processo de montagem do espetáculo, afinal, é a imagem de um papa que está em jogo. Até hoje ele vai periodicamente assistir às apresentações. O grande desafio para levar a peça à Itália é o número de profissionais envolvidos, que é muito alto.”

Ator Desde Cedo
Apesar de cursar outra área, Velloso conta que atua desde os oito anos de idade, quando começou a participar de oficinas do Sesc, que incluíam a montagem de espetáculos no final do ano. Desses contatos iniciais, o gosto pela representação aumentou e se estendeu para outros campos da arte. Assim, paralelamente ao teatro, ele acabou se especializando e trabalhando como cantor, bailarino, artista plástico e circense.

Contemplado por bolsas de estudo e formação pelo Senac/SP e pelo Colégio São Luís, o aprendiz já trabalhou como arte/educador trilíngue (português, francês e inglês) em exposições de arte de São Paulo, com destaques para o Instituto Itaú Cultural e a Rede de Unidades Sesc/SP.

Dentre os principais trabalhos como ator de teatro, estão as peças encenadas no Sesc/SP: “Auto de Natal: Jornadas e Folias” (2002), com direção de Deise Alves; “O Gigante da Floresta” (2004), de Hélio Ziskind, e “Ópera O Meio do Mundo” (2005), com autoria e direção de André Abujamra. Participou, ainda, de “Mary Poppins” (2006), com a Escola de Dança Cisne Negro, e “Garfield em Um Show de Aniversário”, de Sandro Chaim e André Abujamra, dirigido por Fernando Nacarato.

A ideia de cursar Cenografia e Figurino na SP Escola de Teatro, segundo ele, veio por conta de dois fatores: primeiro, a atração que sempre sentiu por direção de arte e criação, e, depois, o coordenador do curso. “Quando descobri que o J.C. Serroni dava aulas na Escola, fiquei muito interessado e logo me matriculei”, lembra, antes de dizer que, ao término do curso, planeja continuar na Instituição, mas estudando Atuação, sua área de ofício.

Serviço
“Enlace – A Loja do Ourives”
Quando: Sexta e sábado, 21h30; domingo, 20h. Até 8 de julho.
Onde: Teatro Tuca
Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes
Tel.: (11) 3124-9600         
Ingressos: R$ 60 (sexta), R$ 100 (domingo) e R$ 120 (sábado)

 

 

Texto: Felipe Del