Alberto Guzik é homenageado na peça ‘Os Dias e as Horas’

Publicado em: 13/04/2016

O saudoso crítico teatral e ator Alberto Guzik (1944 – 2010), um dos criadores da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, é homenageado no espetáculo “Os Dias e As Horas”, do Núcleo de Experimentação dos Satyros. 

 

Além de ser um dos artistas que pensaram no inovador sistem pedagógico da Escola – que já formou, até hoje, cerca de 500 artistas -, Guzik empresta seu nome para a revista A[L]BERTO. Com oito edições publicadas, o periódico é um compilado de artigos de pensadores da cena teatral brasileira.

 

Com direção de Eduardo Chagas, a peça narra episódios da vida de Guzik, a partir de uma série de textos publicados, ao longo de seus quatro últimos anos de vida, no diário virtual “Os Dias e as Horas”. O blog trazia crônicas cotidianas, opiniões teatrais e a rotina como ator na companhia Os Satyros.

 
Alguns dos temas trazidos pela montagem são: a perseguição da família judia de Guzik na Segunda Guerra Mundial; a relação com São Paulo; o uso que ele fazia da arte para combater a melancolia; e a sua despedida dos palcos e da vida.
 
O elenco é formado por Camila Cardoso, Carlos Mourão, Carol Bifulco, Daniel Falcão, Débora Taboada, Elisa Barboza, Higor Lemo, Isabela Cetraro, Janaina Delfino, Ju Alonso, Laiza Fernanda, Leonardo Dalla Valle, Lilibell Torrejón, Milton Aguiar e Safira Santos. Eles são artistas formados nas Oficinas Livres de Interpretação oferecidas pela trupe e coordenadas por Rodolfo García Vázquez.
 
Importante crítico da cena teatral paulistana, Alberto Guzik estreou no teatro aos cinco anos, em “Peter Pan”, dirigida por Tatiana Belinki e Júlio Gouvêa. Ele se tornou artista profissional em 1966, quando concluiu o curso da Escola de Arte Dramática (EAD-USP). Logo largou a carreira nos palcos para escrever críticas.
 
Ele voltou a atuar como ator em 2003, quando participou de “O Horário de Visita”, de Sérgio Roveri. Um ano mais tarde, ingressou na companhia Os Satyros. Na trupe, encenou “Transex” (2004), “A vida na Praça Roosevelt” (2005), “Inocência” (2006), “Divinas palavras” (2007), “Vestido de noiva”, “Liz” (2008) e “Monólogo da velha apresentadora” (2009).
  
Serviço
“Os Dias e as Horas”, do Núcleo de Experimentação dos Satyros
Quando: até 30 de abril, aos sábados, às 23h59
Quanto: Pague Quanto Puder
Onde: Espaço dos Satyros I – Praça Roosevelt, 134, República



Relacionadas:

Notícias | 18/ 10/ 2021

Atores e dramaturgos periféricos são destaque no festival de teatro online da Trupe Investigativa Arroto Cênico

SAIBA MAIS

Notícias | 18/ 10/ 2021

Andanças pelo Teatro Mundial: SP entrevista a premiada dramaturga, performer e diretora sul-africana Napo Masheane

SAIBA MAIS

Notícias | 18/ 10/ 2021

O que é auto-teatro?

SAIBA MAIS